Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

TRILHOS DO ALMOUROL

Depois de uma ausência em 2018, mesmo com as inscrições regularizadas e pagas, o Frederico e o Carlos Gonçalves regressaram a um local onde têm sido “muito felizes”. Os Trilhos do Almourol, no meio da grande oferta de corridas da modalidade de “trail running”, ocupam um lugar muito especial no coração destes dois Tartarugas.

 

A nossa presença em 2019 fica marcada à partida pela estreia do Carlos Gonçalves no Trail Curto com uma distância de 25 quilómetros, abandonando, não sabemos se definitivamente, as anteriores opções pela também denominada de Maratona Trail. Ainda não totalmente recuperado das suas lesões na coluna e no menisco do joelho direito, optou por experimentar a versão mais curta e, quiçá, tomar uma decisão mais racional quanto à distância porque irá optar em futuras participações nos Trilhos do Almourol. O Trail Longo, com mais de 40 quilómetros, tem uma primeira metade muito dura deixando marcas profundas nos atletas e que, normalmente, conduzem a esgotamento muscular quando entram no percurso dos vinte e cinco quilómetros do Trail Curto.

 

A partida na cidade do Entroncamento obriga a um esforço maior dos atletas obrigando-os a levantar mais cedo do que é habitual. E temos também de levar em linha de conta que ainda é necessário apanhar um autocarro que nos levará até ao ponto de partida que, no caso do Trail Curto, terá lugar em Constância. No entanto os nossos atletas já são experimentados o que permitiu que tudo fosse feito sem pressas nem sobressaltos. Ainda era noite quando o Frederico apanhou o Carlos Gonçalves na Estação de Campolide, perto das seis e vinte da manhã. Sem necessidade de pisar muito no acelerador, até porque caía uma chuva por vezes intensa, chegámos ao Pavilhão Gimnodesportivo do Entroncamento uma hora depois. Houve tempo para tudo, até para os “apertos” intestinais de última hora.

O nosso autocarro só partiria às dez para as oito. Entrámos no primeiro transporte com lugares disponíveis e aconchegámo-nos para “passarmos pelas brasas” até sermos descarregados junto ao Parque de Campismo de Constância. À boa maneira portuguesa o autocarro partiu com algum atraso.

 

Para algum espanto nosso verificámos que o dorsal indicava vinte e dois quilómetros para a distância do Trail Curto. No “briefing” da organização nada foi referido quanto a este pormenor.

IMG_20190414_082453.jpg

Depois do discurso do Presidente da Câmara Municipal de Constância, com os habituais agradecimentos a todos os que contribuíram para pôr de pé mais uma edição dos Trilhos do Almourol, é dada o tiro de partida.

 

Cumprida uma volta inicial pela zona histórica desta simpática vila Ribatejana os atletas fazem-se à estrada, ou melhor dizendo, aos trilhos.

 

De acordo com as informações transmitidas no “briefing” iríamos ter pela frente um percurso pouco técnico, mais para rolar imersos na natureza, e sem grandes desníveis. É certo que, de vez em quando, somos presenteados com uma outra subida mais intensa, mas tão só isso. Analisando no final os dados técnicos da corrida, temos de admitir que um desnível positivo de subidas de 347 metros não é muito para uma distância total de vinte e cinco quilómetros (sim, na realidade foi esta a extensão total).

 

Esta prova cumpriu as expectativas dos atletas que, com menos preparação, esperam de uma corrida desta natureza. Resultado do inverno pouco rigoroso que tivemos os pequenos troços com lama ficaram muito aquém do que foi norma em anos anteriores.

 

Realmente esta foi uma corrida para desfrutar e conviver com os restantes atletas. Uma imagem de marca dos “trails” é o convívio e espírito de camaradagem entre os participantes. Não há pressão nas ultrapassagens mesmo que tenhamos um, ou uma, atleta a servir de tampão num “single trek” mais apertado. Os mais rápidos partiram à frente pelo que os que ficam para trás não estão muito preocupados com tempos e classificações. É lógico que se pudermos diminuir os nossos tempos de edições anteriores tanto melhor. Mas é esta a nossa verdadeira competição.

 

Quando já tínhamos percorrido mais de metade da prova começamos a avistar os Caminheiros que se afastam e abrem alas à nossa passagem. Trocas de cumprimentos e de incentivos ajudam-nos a manter, ou até a aumentar, o nosso ritmo.

 

Mais à frente somos ultrapassados pelos atletas do Trail Longo. É bom para ver como os atletas de elite se comportam e como abordam os diferentes obstáculos.

 

Os dois Tartarugas fizeram uma corrida bem próximos um do outro. Logo de início o Frederico ganha algum avanço. A sua passada constante, optando por andar em subidas mais exigentes, dá-lhe margem relativamente ao outro Tartaruga que só foi anulada no primeiro abastecimento. O Carlos Gonçalves optou por não parar e distanciou-se um pouco. Mas não por muito tempo pois, a certa altura, houve o companheiro sussurrar-lhe o nome da equipa. Aliás foi uma constante quando passávamos pelos Caminheiros, estes tecerem algumas considerações relativamente ao nome da nossa equipa. “Vivam as Lebres e Tartarugas”. “Eu sou uma tartaruga. Atrás vêm as Lebres”, respondemos nós.

 

E foi neste clima que o Trail Curto se foi desenrolando.

 

O Carlos Gonçalves olha para trás e nunca mais vislumbra o Frederico. Algum quilómetro mais à frente reagrupa-se a nossa equipa. O Frederico tinha aproveitado um dos abastecimentos para deglutir uma bela e retemperadora Bifana que até lhe deu asas para mais rapidamente chegar à companhia do resto da equipa.

 

Com algumas novidades no percurso começamos a aproximação à cidade do Entroncamento. Os dois últimos quilómetros são provavelmente dos mais duros, pelo menos em termos psicológicos. A passagem pelo Parque do Bonito logo seguida pela entrada na ciclovia, é feita sempre terreno plano. E como é duro um troço em plano quando as nossas pernas já querem tudo menos continuar a correr. O Pavilhão parece que nunca mais chega. É já ali. Mas o ali é tão longe…

 

Finalmente entra o Carlos Gonçalves no Pavilhão. Restam algumas dezenas de metros até cortar a meta, passadas cerca de três horas e vinte e cinco minutos desde a partida. Ainda no mesmo minuto o Frederico dá por concluída a sua corrida. Conseguiu fazer o seu segundo melhor tempo dos Trilhos ao Almourol. E desta vez não teve de ficar à espera algumas horas pelo seu companheiro de luta.

 

Os rostos dos dois Lebres e Tartarugas mostram um misto de sensações. Por um lado espelham a dureza da aventura agora terminada mas, ao mesmo tempo, reflectem a satisfação dos dois com a certeza de que no próximo voltarão,

IMG_20190414_123335.jpg

Depois do banho retemperador segue-se o almoço. “Carne com esparguete” como bem recorda o Frederico das anteriores participações. Só que estava guardado um melhor segredo. Fomos presentados com uma bela FEIJOADA. Veio mesmo a calhar para recuperar as energias despendidas. E o Carlos Gonçalves, para repor os líquidos gastos, trocou a sobremesa por uma segunda imperial.

 

Com a barriga mais bem composta os atletas fazem-se à estrada. E o Carlos ainda aproveitou a viagem de regresso para pôr algum do sono em dia.

 

Adeus Almourol, até para o ano.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

 

Vencedor: LUÍS CONTRERAS (Vitória FC Trail Running): 1:53:27

 Atletas que concluiram a Prova: 316

Atletas Dorsal Escalão

Classificação Geral

Classificação Escalão

Tempo Oficial Tempo Líquido

Ritmo min/Km

Velocidade Km/h

Carlos Gonçalves 744 Masculinos 218º 185º 3:25:05 ND 8:12 7,31
Frederico Sousa
745
Masculinos
221º
188º
3:25:58
ND
8:14
7,28

NOTA: O Ritmo e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos líquidos

Corridas do Mês de Abril

  • 14- 20 Km da Marginal (Cascais/Lisboa )- 20 Km
  • 14- 20 Km da Marginal (Cascais/Lisboa )- 20 Km
  • 14 - Trilhos do Almourol  (Entroncamento) - 25 Km
  • 28 - 30 Km Vale dos Barris(Serra da Arrábida) - 15 Km

 

publicado por Carlos M Gonçalves às 17:15

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TRAIL DOS MOINHOS SALOIOS

. CORRIDA DAS FOGUEIRAS

. OEIRAS TRAIL

. PALMELA RUN

. Lx Trail Monsanto

. CORRIDA DE BELÉM

. MEIA MARATONA DE SETÚBAL

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. 30 KMS VALE DOS BARRIS

. TRILHOS DO ALMOUROL

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds