Terça-feira, 20 de Março de 2018

TRAIL DA COSTA SALOIA

Um Trail não é uma Corrida. É, sobretudo, uma prova de transposição de obstáculos e de um sem número de dificuldades donde se destacam as descidas de cortar a respiração e as escaladas em “tracção total”. E, pelo meio, até se correm algumas centenas de metros, ou mesmo uns quantos quilómetros, aqui e ali intervalados por um ou outro acidente de maior ou menor grau de exigência. É isto que esperam os Trailistas quando se candidatam a uma prova desta categoria.

 

Há trails para todos os gostos. Desde os de quinze quilómetros para os iniciados nestas lides, passando pelos de distância intermédia entre 20 e 30 quilómetros, até aos “Ultras” que podem facilmente chegar à centena de milhares de metros. Mas para estes é imprescindível uma preparação física e psicológica mais avançada. Podemos então considerar que os trails mais equilibrados são justamente aqueles que oferecem um desafio de vinte e tal quilómetros. São difíceis quanto baste mas que nos permitem terminar vivos e satisfeitos e não num registo de sobrevivência.

 

E tanta conversa para quê? Esta introdução serve para explicar porque razão o Carlos Gonçalves convenceu o Frederico a inscrever-se no Trail da Costa Saloia prova que já tinha feito há dois anos e que repetiu em 2017 e da qual tem guardado belas recordações.

IMG_2273.JPGIMG_2277.JPG

Vinte e três quilómetros de pura diversão são o que nos oferece o Trail da Costa Saloia que vai já na quarta edição. Um início bastante simples, já com alguma lama à mistura, e que serve essencialmente para aquecimento e adaptação ao novo meio ambiente. Aliás atendendo ao que choveu nas últimas semanas o piso até estava bastante bom. Com atenção constante para evitar alguma queda de consequências mais imprevisíveis, após passarmos pela habitual queda de água entramos num novo cenário. Deixamos para trás o piso mais escorregadio e abeiramo-nos da primeira escalada que, após atingirmos o ponto mais alto, descemos até à Praia do Magoito. Apesar dos alertas iniciais o passadiço em madeira até não se apresentou perigoso e escorregadio.

 

Segue-se um conjunto de escaladas, algumas “às quatro patas”, e de correspondentes descidas até que, após passarmos um marco geodésico, aproximamo-nos da Costa. O cenário é, como sempre, deslumbrante. O Mar, em máxima fúria, atemoriza até o mais destemido. E o vento marca forte presença tentando derrubar-nos sem qualquer pudor. 

29103951_794941350696650_5828486713361563648_n.jpg29133519_794940357363416_4603152562655330304_n.jpg

À passagem por um dos abastecimentos informam-nos que, em relação ao ano passado, tinha sido introduzida uma nova escalada porque alguns dos atletas tinham referido na altura que o trail estava muito fácil. Tomem lá com uma subida, longa, íngreme e sem grande aderência, para se sentirem mais “confortáveis”.

 

Ao longo das falésias vamos até às Azenhas do Mar. Momento para deliciar a vista com a piscina natural de água salgada a estar completamente submersa pelas ondas bastante agitadas. Ainda se comenta entre os atletas “onde estão os surfistas”. Será que com tanta onda não há ali qualquer “material” que pudessem utilizar? Provavelmente que não.

 29101830_794983080692477_7565658709506916352_n.jpg29137042_794983447359107_6623780842579689472_n.jpg

Atém ao fim não há praticamente novidades. A única alteração é a de que, fruto da tal subida introduzida este ano, não andamos tanto às voltas dentro do Pinhal que nos levará até ao Campo de Futebol da União Desportiva Mucifalense.

Quando o Carlos Gonçalves dá a volta final no relvado sintéctico já o Frederico descansava nas bancadas. Tinha concluído a sua prova uns cinco minutos mais cedo.

 

“Gostaste”, pergunta-lhe o Carlos Gonçalves? “Prova a repetir”, responde-lhe o outro Tartaruga.

 

E com esta troca de comentários cada um segue o seu caminho.

 

Atletas que concluiram a Prova: 191

Vencedor: CARLOS PACHECO (Monsanto Running TEam): 1:49:23

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº 235) 

Classificação Geral: 175º - Classificação no Escalão M60: 6º

Tempo Oficial: 3:25:19/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): ND

Tempo médio/Km: 8m:56s  <=> Velocidade média: 6,72Km/h (*)

 

FREDERICO SOUSA (Dorsal Nº 236) 

Classificação Geral: 166º - Classificação no Escalão M50: 18º

Tempo Oficial: 3:18:34/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): ND

Tempo médio/Km: 8m:38s  <=> Velocidade média: 6,95Km/h (*)

 

 (*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Corridas do Mês de Março

  • 4 - Corrida das Lezírias (V. F. de Xira) - 15,5 Km
  • 4 - Cork Trail (Coruche) - 25 Km
  • 11 - Trail da Costa Saloia (Mucifal/Colares) - 23 Km
  • 11 - Meia Maratona de Lisboa - 21,0975 Km
  • 18 - Corrida da Árvore (Lisboa/Monsanto) - 10 Km
  • 25 - Corrida dos Sinos (Mafra) - 15 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 22:40

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. MEIA MARATONA DOS DESCOBR...

. CORRE JAMOR

. CORRIDA DA ÁGUA

. MARATONA DO PORTO

. TRAIL DA REAL TAPADA

. CORRIDA DO MONTEPIO

. EDP Maratona de Lisboa

. Vodafone Meia Maratona de...

. Corrida ActivoBank/Clube ...

. CORRIDA FARMACÈUTICOS

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds