Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2023

MEIA MARATONA DE TORRES VEDRAS

Sempre à descoberta de novas emoções a equipa das LEBRES E TARTARUGAS adere a tudo o que é novidade.

 

Foi assim que em 2022 inscrevemos dois atletas na primeira edição da Meia Maratona de Torres Vedras ficando a representação da nossa equipa a cargo do Carlos Teixeira e do Carlos Gonçalves. Este último atleta desistiu à última hora em virtude de um imprevisto que o impediu de fazer companhia ao outro elemento das LEBRES E TARTARUGAS.

 

Em 2023 a nossa equipa decidiu inscrever-se novamente nesta prova que encarna os ingredientes típicos de uma Meia Maratona com um percurso maioritariamente plano, mas com a diferença de se desenrolar em terra batida. E, além dos dois Carlos, contámos ainda com um atleta de peso na nossa equipa. O Gonçalo Gonçalves encarna o verdadeiro espírito da nossa equipa não dizendo não a um novo desafio. Foi a sua segunda Meia Maratona e já se perfila para a Meia Maratona de Lisboa com a travessia da Ponte 25 de Abril em Lisboa.

 

Esta prova tem o formato de corrida em linha com partida e chegada em locais distintos. Assim a organização colocou à disposição dos atletas vários autocarros transportando-os desde Torres Vedras até à Praia de Santa Cruz de modo a minimizar ao máximo os constrangimentos dos participantes sem terem de mobilizar duas viaturas, uma junto da Partida e outra próxima da chegada, e com a obrigatoriedade de se deslocarem novamente até Santa Cruz para recolher o outro carro.

 

Entrámos num dos autocarros estacionados junto ao Pavilhão da Expo Torres que nos levaria até ao local da partida. Como sempre acontece nestas situações os diferentes atletas aproveitam para colocar a conversa em dia salientando as suas proezas, nomeadamente relatando a participação recente em diferentes Maratonas e Meia Maratonas em vários Países, da Europa e não só.

 

E para fazer bom ambiente o motorista do nosso autocarro encarregou-se de colocar na instalação sonora umas músicas de duvidoso gosto que tinha numa “playlist” no seu telemóvel.

 

A longa espera pela partida, aliada à deficiente qualidade dos assentos do autocarro, contribuiu para alguma impaciência dos atletas e para chegarem ao local da Partida um pouco “moídos”.

 

A manhã apresentava-se fria, bastante fria até. Mas, ao contrário do ano passado, desta vez a chuva não marcou presença. Apenas um vento um pouco agreste não fosse o facto de estarmos junto à Praia de Santa Cruz em plena costa atlântica. E o Sol fez questão de marcar presença ao longo de toda a prova amenizando um pouco a baixa temperatura que se fazia sentir, acompanhado, de vez em quando, por umas lufadas de ar mais frio.

 

Antes da hora da partida os nossos atletas refugiam-se no bastante simpático e acolhedor Café “O Veleiro” onde pudémos satisfazer as nossas necessidades fisiológicas e aquecer com um esplêndido café matinal.

 

A hora do começo da prova aproxima-se. Não são muitos os atletas à partida. Talvez umas três centenas, adiantamos. E verificamos também que a média de idades é, aparentemente, baixa. o que pode ser uma preocupação para quem não deseja terminar a Meia Maratona nos últimos lugares.

 

E aproveitamos para nossa habitual foto da equipa.

WhatsApp Image 2023-01-25 at 06.37.02.jpeg

Às dez e meia é dado o “tiro” de partida.

 

E, para aquecer, começamos logo com uma subida de respeito. Uma autêntica parede que contribui para o desmembrar do pelotão. Os mais rápidos e mais bem preparados desparecem num ápice. São cerca de quatrocentos metros demolidores. Provavelmente o maior obstáculo de toda a prova.

 

O percurso é o mesmo de 2022. Sendo maioritariamente plano obriga os atletas a “puxarem” constantemente do princípio ao fim. E, na realidade, e analisando o registo nos nossos relógios “inteligentes”, constatamos que, tirando a “parede” inicial, e um “muro” por volta dos quinze quilómetros e meio, o percurso foi pouco acidentado mas com uma pendente positiva.

 

O ambiente em redor era tipicamente de uma lezíria Ribatejana com muitas zonas alagadas a acompanharem o nosso percurso. A inexistência de grandes acidentes permite-nos ver mais longe outros atletas mais adiantados. Este pormenor até pode ser considerado como um incentivo a mantermos um bom ritmo e, quiçá, tentarmos diminuir a distância aos corredores mais adiantados.

 

A Meia Maratona de Torres tinha a presença dos chamados “Pacers” que marcam diferentes ritmos de corrida e que ajudam os atletas a manterem um andamento constante acompanhando estas “lebres”. A presença dos “pacers” normalmente contribui para um desempenho superior ao que conseguiriam em condições normais. Por isso são sempre bem-vindos.

 

Os nossos três atletas posicionaram-se ao longo de toda a prova tendo como referência a atleta dos 6 minutos por quilómetro, um à frente e os outros dois atrás. E conseguiram realizar a corrida num ritmo de Meia Maratona, mas em alcatrão. O Carlos Teixeira conseguiu terminar a prova abaixo da barreira das duas horas enquanto os restantes elementos das LEBRES E TARTARUGAS ficaram um pouco mais atrás, na casa das duas horas e sete e duas horas e nove minutos.

 

Terminada a corrida os nossos atletas conseguem, apesar do cansaço, apresentar sinais de felicidade e de sentimento de dever cumprido.

WhatsApp Image 2023-01-22 at 12.48.19.jpeg

E para terminar em beleza o nosso atleta mais velho obteve um meritório terceiro lugar no escalão de mais de sessenta e cinco anos. Quando se preparava para ir tomar banho ouviu na instalação sonora que iriam distribuir os prémios para o último escalão de Veteranos e disse para o filho: “espera que vão entregar os útimos troféus e talvez possa ser comtemplado com lugar de destaque e com direito a prémio”. E assim foi tendo de subir ao pódio para receber o prémio em causa.

2432070a-17f6-4b4e-87af-ba54a8e536a5.jpg

Para aqui que ninguém nos ouve só terminaram três atletas deste escalão. Mas o que fica para a posteridade foi a subida ao pódio.

 

De realçar que numa prova em que terminaram trezentos atletas os nossos corredores ficaram com mais quarenta atrás deles. Foi um feito digno de registo tendo em consideração o reduzido número de atletas e que a esmagadora maioria era bastante mais nova e que aparentava uma boa preparação.

 

Para terminarmos em beleza esta nossa participação na Meia Maratona de Torres Vedras fomos recuperar energias num óptimo Restaurante que tinham aconselhado ao Gonçalo. Dificilmente nos esqueceremos do Páteo do Faustino onde celebrámos a nossa corrida na companhia das nossas “Personnal Trainers”. O Carlos Teixeira não nos pôde fazer companhia devido a compromisso familiar que o obrigava a regressar mais cedo a casa. Fica para a próxima.

 

Segue-se a Corrida do Fim da Europa já com a companhia do Frederico e do João Valério.

 

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 22:24

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. 8ºTRAIL DOS MOINHOS SALOI...

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. CORRIDA SÃO SILVESTRE DE ...

. CORK TRAIL 2023

. CORRIDA DA ÁGUA

. OEIRAS TRAIL 2023

. SINTRA TRAIL MONTE DA LUA

. MARATONA DE LISBOA

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds