Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2023

MEIA MARATONA DE CASCAIS

O início do ano de 2023 foi de grande actividade para os nossos corredores com a participação em três provas de dificuldade e distância acima da média.

 

Foram três domingos de seguida. Depois da Meia Maratona de Torres Vedras e da Corrida do Fim da Europa foi a vez de regressarmos a uma clássica das corridas de fundo em Portugal. A Meia Maratona de Cascais, outrora 20 quilómetros de Cascais, fechou este ciclo de maior intensidade em comparação com o nosso passado mais recente. Longe vão os tempos em que víamos os atletas das LEBRES E TARTARUGAS fins de semana consecutivos em tudo o que fosse prova de estrada.

 

Não direi que o nosso abrandamento se deva principalmente à nossa idade, mas sim à nossa preocupação em não ganhar lesões que, nesta fase, são de mais difícil recuperação. Mas também temos de evitar entrar em saturação. Devemos encontrar alternativas que nos permitam “limpar” a cabeça e assegurar que mantenhamos uma actividade física regular tão necessária como essencial.

 

A Meia Maratona de Cascais continua a atrair muitos atletas. Sem alterações de percurso comparativamente com as edições anteriores aplica-se o princípio de não mexer numa fórmula que se tem afirmado como vencedora.

 

A partida, em frente ao Hotel Baía, foi algo confusa em virtude de ser o palco do início das várias modalidades previstas: Corrida das Crianças, Corrida de 5 Km, Prova de 10 Km, para os menos afoitos e menos preparados para grandes distâncias e, finalmente, a Meia Maratona.

 

Como já é habitual os atletas dos 21 quilómetros foram divididos em diferentes blocos de partida consoante o tempo previsível para a conclusão da corrida.

 

A confusão parecia estar instalada tal era o aglomerado de atletas que não conseguiam entrar para o seu compartimento de partida. Mas, “despachadas” as provas mais curtas, a Organização conseguiu que tudo decorresse com a normalidade possível para o início da prova principal.

 

A diferença em tempo entre as partidas da corrida de dez quilómetros e da Meia Maratona evitou que se gerasse algum conflito entre os atletas das duas provas com andamentos bem diferentes. Quanto mais longa é a distância menor é o ritmo imposto pelos atletas. Os participantes da Meia Maratona apenas se juntaram aos da distância de cinco quilómetros mas durante pouco tempo.

 

Feita a separação entre os participantes nestas duas provas os semi-maratonistas atacam o troço mais longo que os leva até às imediações do Guincho. É, talvez, a parte do percurso mais agradável com a vista do Oceano Atlântico na sua imensidão e grandeza. Estamos na Costa Oeste da Europa. Mas é também uma zona onde a nossa força psicológica é mais colocada à prova dado que, por mais que fixemos o nosso olhar na estrada, nunca mais vemos o tão almejado ponto de viragem. Ultrapassada a antigamente muito temida  subida entre os quilómetros dezassete e dezanove, passamos pela zona do hipódromo. Sabemos que o fim está próximo e que, mais à frente, temos as últimas centenas de metros que antecedem a meta. É sempre a descer em que a maioria faz a “sprintar” dentro das suas capacidades físicas.

 

A grande surpresa foram as condições meteorológicas. Depois de semanas em que o frio se fez sentir de sobremaneira a Meia Maratona de Cascais presenteou-nos com um tempo mais primaveril. E, por mais estranho que pareça, a temperatura mais alta fez-se sentir no segmento da estrada do Guincho. Com a inversão do sentido da corrida apareceram algumas rajadas de vento mais frio tornando a temperatura mais apetecível e estabelecendo condições mais agradáveis para uma corrida com a distância de uma Meia Maratona.

 

Mais uma participação a juntar-se ao nosso bastante extenso currículo.

 

Há situações que um atleta nunca deseja encontrar numa no decorrer de uma qualquer prova. A principal é não aparecer uma lesão, antiga ou recente, que pode mesmo levar à desistência. A outra são as famigeradas cãibras que surgem quando menos se espera e que são resultado de um esforço mais intenso e para o qual não estávamos preparados. Por último, e com a qual nunca contamos, é, de repente, surgir um dor de barriga que tem tudo de inesperada como de resolução difícil. Foi o que sucedeu a um dos nossos atletas. Aliás já à partida tinha alguns sintomas mas que esperava que passariam à medida que a corrida fosse avançando. Mas o contínuo movimento só faz aumentar aquele suplício. Foi mais um obstáculo que tinha de ultrapassar.

Apesar de ter estabelecido como objectivo concluir esta Meia Maratona com um tempo inferior ao que tem conseguido nas últimas corridas nesta distância a sua preocupação passou a estar focada em controlar aquela situação inesperada e terminar os cerca de vinte e um quilómetros nas melhores condições possíveis. Depois de cortada a meta logo se veria.

 

Foi, sem dúvida, um grande teste à capacidade de superação do atleta.

 

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 22:05

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. 8ºTRAIL DOS MOINHOS SALOI...

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. CORRIDA SÃO SILVESTRE DE ...

. CORK TRAIL 2023

. CORRIDA DA ÁGUA

. OEIRAS TRAIL 2023

. SINTRA TRAIL MONTE DA LUA

. MARATONA DE LISBOA

.arquivos

. Junho 2024

. Maio 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds