Quinta-feira, 19 de Outubro de 2023

MARATONA DE LISBOA

Correr e completar uma Maratona é o supremo desejo de qualquer atleta adepto das Corridas de Estrada. Poucos são os que se abalançam de “peito feito” a esta tremenda aventura que, quando completada, nem que seja apenas por uma vez, servirá de algo que mais tarde podemos transmitir aos nossos filhos, ou mesmo aos nossos netos. E este é um tema que podemos também abordar em conversas com amigos salientando o nosso feito ao termos conseguido terminar uma ou mais Maratonas.

 

Fazer uma Maratona não é uma tarefa fácil. Não podemos considerar que é o mesmo que fazer duas Meias-Maratonas de seguida. Longe, muito longe, disso.

 

Quando me dispus a fazer uma Maratona lembro-me de ter lido, num daqueles muitos artigos que encontramos na Internet, que o nosso organismo não está fisiologicamente preparado para concluir a mítica distância dos 42,195 quilómetros. É necessário seguir com algum rigor um Plano de Treino com uma duração entre três a quatro meses. A disciplina é um dos trunfos necessários a quem se dispõe a abraçar uma prova desta envergadura.

 

No meu currículo conto com doze Maratonas repartidas entre Lisboa e Porto e com uma acção na Maratona de Sevilha em 2019. Daí para cá segue-se um longo interregno motivado pela cirurgia ao Menisco no meu joelho esquerdo que me impediu de marcar presença na Maratona de Lisboa em Outubro de 2019 e em Sevilha em Fevereiro de 2020 provas nas quais estava inscrito.

 

O Covid19 veio a contribuir para a anulação de muitas provas pelo que só agora começamos a entrar na normalidade.

 

O meu regresso à Maratona de Lisboa deveu-se, essencialmente, à minha vontade em testar o comportamento do meu joelho após a acima indicada intervenção cirúrgica. Mais do que concluir novamente uma Maratona, este desafio assumia uma particular importância. Será que com os meus sessenta e sete anos de idade, e com uma operação pelo meio, ainda seria capaz de abraçar novamente esta aventura?

 

No final de Julho peguei num dos Planos de Treino para a Maratona que já tinha encontrado há alguns anos e decidi meter “mãos à obra”. O facto de coincidir maioritariamente com o meu período de férias dava-me alguma vantagem. Porém nem sempre consegui cumprir as diferentes etapas do Plano de Treinos. Mas foi melhor do que nada fazer. Sim porque treinar para uma Maratona não é só fazer algumas corridas de média distância. É necessário algo mais.

 

E foi com o meu pensamento no dia 8 de Outubro que me aventurei ao cumprimento do meu Plano de Treinos. Não fixei qualquer objectivo em termos de completar a prova em determinado tempo. Terminar, e sempre em passo de corrida, era aquilo a que me propunha. Tudo o que conseguisse a mais era para mim já uma grande vitória.

 

E, finalmente, chegou o grande dia. Aguardava com alguma, para não dizer grande, ansiedade pelo dia da corrida. Era a prova dos nove para a preparação que consegui levar à prática.

 

No final da tarde do Sábado, véspera da Maraton,a começam a surgir notícias versando a antecipação da hora de partida para as 7 da manhã, ou seja, uma hora mais cedo do que o previsto. A temperatura elevada prevista para Domingo lançava alguns alertas. Esperava-se uma temperatura elevada cujos efeitos maiores se deveriam repercurtir quando a maioria dos atletas estivesse sensivelmente a meio da prova. Consultada a página oficial da Maratona não encontrava nada sobre este tema.  Fosse nas Redes Sociais, fosse nos órgãos da Comunicação Social, a antecipação da hora de partida era dada como um dado adquirido. No entanto optei por me manter tranquilo e considerar que não iria haver qualquer alteração na hora de partida, até que recebesse alguma informação por “email” ou por SMS.

 

No próprio dia de Sábado tinha ido levantar o meu dorsal e estava bem assinalada a hora da partida para as oito da manhã. Até indicação em contrário as oito da mahã eram a minha hora de partida. Mantive-me tranquilo. Com os filhos e netos em minha casa o tema Maratona passava para segundo plano. Tudo tranquilo.

 

Já perto das nove da noite recebo finalmente uma mensagem avisando-me para a antecipação da hora de partida da Maratona para as sete da manhã. Em simultâneo cai na minha Caixa de Correio Electrónico a informação sobre esta alteração da hora de partida da Maratona.

  

Picture1.png

Olá Carlos,

  

Perante as temperaturas elevadas previstas para amanhã, dia 8, as partidas da EDP Maratona de Lisboa, da Luso Meia Maratona e da EDP 8K foram antecipadas. Assim as partidas serão: 

 

EDP Maratona de Lisboa: 07h00 da manhã 

Luso Meia Maratona: 09h00 da manhã 

EDP 8K: 09h00 da manhã 

  

Também os tempos limites para terminar as provas foram revistos. O tempo limite para terminar a Maratona é de 5 horas e o tempo limite para terminar a Meia Maratona e a 8K é de 2 horas e meia. 

  

Esta antecipação das partidas tem como objetivo proteger os participantes das horas mais quentes. Relembramos que a organização reforçou os abastecimentos de água e chuveiros ao longo do percurso.  

  

No total a EDP Maratona de Lisboa terá 13 abastecimentos e três chuveiros, a Luso Meia Maratona quatro abastecimentos e três chuveiros e a EDP 8K um abastecimento, no final da ponte, e dois chuveiros (comuns à meia-maratona). Na meta, será também entregue água a todos os finalistas. 

  

Os comboios da CP de Lisboa para Cascais partem do Cais do Sodré às 05h15, 05h30 e às 06h00 da manhã. 

  

Os autocarros para a partida da Luso Meia Maratona e da EDP 8k, na ponte Vasco da Gama, estarão disponíveis entre as 07h00 e as 08h00 da manhã, na Gare do Oriente. 

  

Agradecemos a sua compreensão e pedimos-lhe que se hidrate e tenha atenção aos sinais do corpo. 

 

Dada a questão logística derivada do facto dos locais de Partida e de Chegada serem em pontos opostos apenas tive de antecipar a minha hora de saída de casa.

 

Tinha preparado tudo para deixar o meu carro em Algés e depois apanhar um dos primeiros comboios da manhã com destino a Cascais.

 

Acertei o meu despertador para as três e meia da manhã. O meu objectivo era chegar com alguma margem de manobra a Algés para procurar lugar de estacionamento “à borla” e relativamente próximo da Estação da CP.

 

Não sei se foi por algum nervosismo o certo é que a partir das três da manhã acordei, ainda antes do sinal do despertador, e não mais voltei a adormecer.

 

Optei por me levantar calmamente e equipar-me com toda a tranquilidade do Mundo. De véspera já tinha deixado tudo devidamente organizado: Equipamento de Corrida e Suplementos alimentares.

 

Saio de casa ainda de noite e chego a Algés por volta das quatro horas e um quarto. Exagerei. O comboio que me propunha apanhar deveria passar por volta as 5 e 41 e ali estava eu seguramente com mais de uma hora de avanço. Mas é uma característica minha preferir chegar cedo do que em cima da hora.

 

Àquela hora da manhã nota-se o movimento daqueles que ainda estão a gozar a “noite Lisboeta”. Para eles a Maratona é outra coisa.

IMG_20231008_051848.jpg

Quando chego à plataforma da Estação de Comboios da CP de Algés encontro os primeiros atletas. Tudo muito estranho para aquela hora, não fosse a circunstância de se ir realizar a Maratona de Lisboa.

 

O comboio oriundo do Cais do Sodré chega a Algés já bastante cheio. Mesmo assim ainda conseguiu albergar mais uns quantos atletas.

 

O ambiente dentro do comboio é uma mistura de dois grupos. Por um lado temos os “habitués” da Noite que regressam a casa para o merecido, na opinião deles, descanso. Destoando temos os Maratonistas que em vez do descanso aproveitam para se alimentarem, aquecerem as articulações ou ainda se hidratarem.

 

Presenciamos um cenário bastante curioso.

 

Chegamos a Cascais ainda noite cerrada.

IMG_20231008_060619.jpg

IMG_20231008_060914.jpg

 

O movimento nas ruas não é nada consentâneo com aquela hora. Ainda por cima o equipamento desportivo daquela imensa mole humana contribui para um ambiente bastante estranho.

 

A chegada ao Hipódromo de Cascais acaba por ser o aquecimento da maioria dos atletas. Nem precisámos do aquecimento promovido por uma equipa do “Holmes Place”.

IMG_20231008_065433.jpg

Os atletas aguardam impacientemente pela partida da Grande Prova. Ainda não se faz sentir a luz do dia. Estranho quando estas provas têm o seu início já depois do nascer do Sol. São as consequências das medidas tomadas pela Organização. Um atleta mostrou-me o seu desagrado, mas digo-lhe que o Maratona deve ter preferido tomar estas medidas mais drásticas para evitar, dentro do possível, algum acidente mais desagradável. Lembro-lhe que na Meia Maratona de Lisboa em Março deste ano um atleta estrangeiro morreu após cruzar a meta em, Belém Também nesse dia se fez sentir uma onda de calor. Assim considero que foi acertada esta decisão.

 

O traçado da Maratona de Lisboa foi o mesmo das últimas edições. A única novidade teve a ver com a hora de partida. Regressados a Cascais, depois de uma incursão rumo ao Guincho, com o ponto de viragem por volta do quilómetro 6,5, começa a nascer o dia. Um pouco mais à frente, após a passagem pelo Estoril começamos a ter a companhia do Sol. Temos pela frente uma longa caminhada praticamente plana até à Praça do Comércio.

 

Contrariando as previsões o tempo manteve uma temperatura bastante agradável. Ao longo da Marginal tivemos sempre como nossa aliada uma brisa ligeiramente fresca.

 

Os locais de abastecimento estiveram à altura das necessidades. Se no início tivemos abastimentos de líquidos a cada cinco quilómetros quando a temperatura começou a subir a frequência passou para dois a três quilómetros. Cinco Estrelas.

 

À chegada ao Dafundo preparamo-nos para a “tenebrosa” recta até à Meta que parece nunca mais ter fim. Sem sombras e com a ausência de qualquer brisa mais fresca. Só a zona de chuveiros amenizava um pouco o calor. Por ser já nossa conhecida de outras provas talvez tenha contribuído para abordarmos estes quilómetros finais com maior ânimo.

 

A passagem pelo pórtico indicando a distância da Meia Maratona dá início à contagem decrescente. Já falta menos do que percorremos. A partir dos 32 quilómetros tenho pela frente uma simples corrida de dez quilómetros. É a distância típica de uma habitual prova de estrada.

 

Ânimo que o fim está próximo.

 

Nesta edição da Maratona de Lisboa cumpri todos os concelhos habituais. Hidratei-me bem, apesar de já não suportar o sabor a plástico das garrafinhas de água que nos iam entregando. Pedia sempre duas garrafas, uma para arrefecer os músculos e a outra para ir bebendo à medida que ia correndo. A alimentação, normalmente responsável por momentos de quebra dos atletas, não foi por mim descurada. Desde as barras energéticas até às pastilhas de Isostar para prevenir cãibras tudo contribuiu para que conseguisse chegar ao fim sem qualquer sobressalto. Procurei sempre manter um ritmo constante ao longo dos quarenta e dois quilómetros.

 

O único ponto negativo foi chegar à meta e verificar que gastei mais cerca de uma hora do que o habitual nas minhas últimas maratonas. Mas foi também a minha primeira corrida nesta distância desde que fui operado ao joelho esquerdo em 2019. Desistir não está no meu horizonte e já penso na próxima Maratona.

IMG_20231008_122422.jpg

E vão treze…

 

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 19:03

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. CORRIDA SÃO SILVESTRE DE ...

. CORK TRAIL 2023

. CORRIDA DA ÁGUA

. OEIRAS TRAIL 2023

. SINTRA TRAIL MONTE DA LUA

. MARATONA DE LISBOA

. MEIA MARATONA DE S. JOÃO ...

.arquivos

. Maio 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds