Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2023

CORK TRAIL 2023

Depois de algumas perturbações devido ao famigerado COVID 19 do qual já nos começamos a esquecer regressei este ano a uma prova de Trail da qual tenho guardadas boas memórias.

 

Lembro-me da minha primeira participação no Cork Trail em que fiquei intrigado como seria possível montarem uma prova de Trail numa zona predominantemente plana na lezíria do rio Sorraia.

 

E, desde logo, guardei desta prova um tal encanto que passou a fazer parte do meu lote restrito de “trails” por mim considerado como apostas seguras.

 

Desde a primeira participação que guardo a memória de uma prova exigente, bastante mais exigente do que esperava, e na qual a lama tem marcado uma presença constante. Como já referi anteriormente o Cork Trail faz-me recordar os trilhos de Almourol nos quais o piso enlameado é uma constante e que contribui para aumentar a dureza e a dificuldade do “Trail”.

 

E tenho também a certeza de que esta corrida seria certamente do agrado do meu colega trailista Frederico que, comigo, tem participado em muitas corridas do ultrafamoso “Trail Running”. Espero contar com a sua companhia numa das próximas edições do Cork Trail.

 

No presente ano a intensa chuva que se fez sentir nos últimos dias contribuiu, de sobremaneira, para que o piso se apresentasse pesado e consideravelmente enlameado.

 

Contrariamente às anteriores edições a organização montou um percurso para uma única distância de aproximadamente doze quilómetros. Esta era a distância ao antigo Trail Curto. O Trail Longo, com cerca de vinte e cinco quilómetros, desapareceu do mapa. Aliás penso que houve alguns contratempos na organização do Cork Trail pois também o local de partida e de chegada foram alterados. Ficou no ar que algo se passou…

 

Bem cedo que a habitual calmaria desta pacata localidade de Vila Nova da Erra se viu interrompida pela chegada de um número considerável atletas fosse para a prova de Trail fosse para a Caminhada. Estavam inscritos 262 atletas no total das duas modalidades.

 

Mas, apesar da agitação causada, os habitantes mostravam-se nada perturbados com a animação desta fria manhã de oito de Dezembro e receberam-nos de braços abertos.

 

Erra, mais propriamente Vila Nova da Erra, é uma pequena aldeia perto de Coruche. Ninguém passa por lá. Só se vai a Erra com algum motivo.

 

Uma das vantagens do Desporto é ter a capacidade de levar pessoas a locais onde provavelmente nunca iriam em circunstâncias normais. Nos últimos anos temos verificado que as Corridas têm colocado no Mapa locais que passam despercebidos à maioria das pessoas. E o “passa palavra” vai contribuindo para que mais atletas decidam participar no Cork Trail.

 

Uma das minhas recordações foi a presença da muito conhecida Analice Silva que foi uma presença constante desde a primeira edição. Talvez esta tenha sido uma das últimas provas desta atleta antes de ter desaparecido do Mundo dos Vivos. E no habitual “Briefing” que antecede a corrida a Analice foi uma vez mais recordada em face da sua ligação ao Cork Trail.

 

O facto de ter havido somente um Trail Curto contribuiu para uma animação maior durante toda a corrida. As diferenças entre os atletas desvanecem-se ao longo dos quilómetros do percurso. Os mais rápidos, que lutam por uma boa classificação, seja na Geral seja no Escalão Etário respectivo, partem rapidamente desaparecendo logo nas primeiras centenas de metros. Os outros, a maioria, entrega-se à corrida com o principal objectivo de disfrutarem ao máximo a Natureza e privilegiando o convívio com os restantes atletas. É o espírito do “Trail” onde o sentimento de entreajuda prevalece.

 

Como já referido esta foi uma verdadeira prova de Trilhos. O percurso baseava-se em duas voltas, uma inicial mais curta que nos levaria a passar de novo pela zona da partida seguindo-se uma segunda volta maior e repetindo-se o troço final até à Meta.

 

Foi ,ogo de início que a lama se fez sentir. Depois de alguns quilómetros um pouco mais secos os últimos dois marcaram o regresso do piso mais mole e enlameado com a passagem por zonas bem difíceis com bastante menor aderência e onde todo o cuidado era pouco. Se não abordássemos cada passagem mais estreita e mais técnica com maior cuidado certamente que que nos sujeitaríamos a alguma queda mais aparatosa e, provavelmente, com consequências mais graves. Este cenário tem sido uma constante em todas as edições. Mas quem se abalança a um “Trail” espera tudo menos facilidades. Aliás nem as procuramos.

 

Terminada a prova fazem-se as despedidas dos outros atletas nossos conhecidos. E também nos despedimos da Vila Nova da Erra com um “até para o ano”.

[Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 23:14

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. CORRIDA SÃO SILVESTRE DE ...

. CORK TRAIL 2023

. CORRIDA DA ÁGUA

. OEIRAS TRAIL 2023

. SINTRA TRAIL MONTE DA LUA

. MARATONA DE LISBOA

. MEIA MARATONA DE S. JOÃO ...

.arquivos

. Maio 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds