Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

MEIA MARATONA INTERNACIONAL DA NAZARÉ

E DESTA VEZ A CHUVA ESTEVE AUSENTE

 

Nas edições em que anteriormente participámos tivémos a companhia de forte chuva, vento e frio. Se bem que as previsões meteorológicas apontassem para um domingo sem chuva ao sairmos de Lisboa pensávamos seriamente que esse prognóstico iria estar, infelizmente, errado. Quando entrámos na A8 os primeiros salpicos fizeram questão de nos lembrar que estávamos em pleno Outono. E o céu em  direcção a Norte apresentava-se bastante carregado. Porém ao aproximarmo-nos das Caldas da Rainha não só o Sol apareceu com grande fulgar mas também ainda fomos presenteados com um espectacular e perfeito arco-íris afastando os nossos maiores temores. Afinal as previsões do Boletim Meteorológico pareciam estar certas.

 

Reunidos os três TARTARUGAS preparavam-se para participar na mais antiga, e primeira, Meia-Maratona de Portugal. De ano para ano esta prova tem vindo a perder participantes. Só mesmo os mais indefectíveis teimam em contribuir para que esta corrida não morra. Mas, talvez fruto da crise, muitas das caras conhecidas residentes na área metropolitana de Lisboa já não se deslocam para longe com a frequência que faziam há um ano atrás.

 

À chegada à cidade da Nazaré cumprem-se os habituais rituais. Em primeiro lugar é necessário encontrar um lugar para estacionarmos a nossa viatura, suficientemente perto do local de levantamento dos dorsais e da linha de partida. Mas também simultaneamente longe da confusão para nos permitir sair rapidamente em direcção a Lisboa.

 

Colocados os dorsais e "chips", e após darmos lugar à satisfação das necessidades fisiológicas de última hora,tínhamos pouco mais de 15 minutos para chegar até à linha de partida. O aquecimento foi feito no percurso entre o nosso carro e o local de início da prova. E constatámos que, apesar da chuva parecer ter definitivamente desparecido, um frio agreste associado a vento forte iria acompanhar-nos durante grande parte da corrida.

 

O percurso era sobejamente conhecido sem alteração relativamente às últimas edições. Assim só tínhamos que procurar o ritmo mais adequado aos nossos objectivos. E para os dois Maratonistas um objectivo claro estava na nossa mente: melhorar a marca do ano passado e, se possível, estabelecer um novo recorde pessoal na distância. Apesar de inicialmente encararmos as corridas como um momento de lazer e sem grande "stress" o que acontece actualmente é que, na prática, não damos descanso às nossas pernas e às nossas mentes. É sempre a sofrer. Mas esta atitude não é partilhada pela totalidade do nosso grupo. Fiel aos nossos princípios o Federico é o único que não cede um milímetro na estratégia inicialmente traçada. Cada corrida é para ser disfrutada ao máximo, sem grandes preocupações e sem grandes correrias. Uns estão no "oitenta" e o outro está no "oito". E qual tal aproximarmo-nos pouco?

 

A primeira metade da prova era maioritariamente a subir pelo que antevíamos, após a inversão no sentido da prova (por volta do quilómetro treze), uma maior facilidade e um menor desgaste. Mas nem sempre o que parece é. À semelhança das edições anteriores o vento que soprava ligeiramente até parece que mudou repentinamente. Com grande intensidade e contrário ao sentido da nossa corrida tínhamos ali um obstáculo de peso. E quando entrámos na zona portuária aí é que ele ainda apertou mais. Alguns atletas escondiam-se atrás dos que seguiam à sua frente. Sempre conseguiam minorar um pouco esta adversidade.

 

Após o quilómetro vinte começámos a vislumbrar as mangas insfluváveis que marcam o final da corrida. Mas para os mais avisados não devemos esquecer que, apesar do fim parecer estar próximo, ainda temos um longo caminho a percorrer. Só no terceiro pórtico é que termina a corrida.

 

E o vento soprava com cada vez mais força. Não fossem os incentivos dos populares e talvez as forças nos faltassem. Pelo menos as acelerações e ultrapassagens finais foram em menor quantidade.

 

Cumprida mais uma prova, e após a necessária recuperação, tínhamos urgentemente de procurar abrigo na nossa viatura. O vento gélido ameaçava dar cabo de nós definitivamente. Procurávamos um caminho até ao parque através das ruas mais ensolaradas e mais abrigadas do vento.

 

Para trás ficava um cenário sem dúvida magnífico com o mar bastante agitado próprio para os "surfistas" mais arrojados.

 

Atletas que concluiram a prova: 1302 (1135 em 2011)

Vencedor: PEDRO CRUZ(J Cruz Irmãos): 1:09:42

 

FREDERICO SOUSA  (Dorsal Nº 738)

Classificação Geral: 1226º - Classificação no Escalão M45: 82º

Tempo Oficial: 2:12:01/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 2:11:25

Tempo médio/Km: 6m:14s  <=> Velocidade média: 9,63Km/h (*)

 

CARLOS TEIXEIRA  (Dorsal Nº 739)

Classificação Geral: 721º - Classificação no Escalão M50: 85º

Tempo Oficial: 1:46:14/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:45:40

Tempo médio/Km: 5m:01s  <=> Velocidade média: 11,98Km/h (*)

MELHOR TEMPO INDIVIDUAL NA PROVA E NA DISTÂNCIA DA MEIA MARATONA

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº740)

Classificação Geral: 513º - Classificação no Escalão M55: 34º

Tempo Oficial: 1:40:25/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:39:52

Tempo médio/Km: 4m:44s  <=> Velocidade média: 12,68Km/h (*)

MELHOR TEMPO INDIVIDUAL NA PROVA E NA DISTÂNCIA DA MEIA MARATONA

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o mês de Novembro

  • 11 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 25 - Grande Prémio ACRD (Mendiga) - 16,3 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 22:40

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CORRIDA DA ÁGUA

. MARATONA DO PORTO

. CORRIDA DO MONTEPIO

. MARATONA DE LISBOA e LUSO...

. CORRIDA CLUBE MILLENNIUMB...

. CORRIDA DO TEJO

. CORRIDA DA LINHA MÉDIS

. MEIA MARATONA DE S. JOÃO ...

. TRAIL DOS MOINHOS SALOIOS

. CORRIDA DAS FOGUEIRAS

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds