Quarta-feira, 28 de Março de 2012

MEIA MARATONA DE LISBOA

Esta prova tem habitualmente duas grandes dificuldades. Uma delas tem a ver com a logística do transporte dos atletas atendendo a que o local da partida é substancialmente distante do da chegada. Compreendemos que a organização apela à elevada participação popular, tanto na meia como na mini-maratona, oferecendo a todos os participantes a oportunidade rara de atravessarem a Ponte 25 de Abril a pé. É sem dúvida um espectáculo inolvidável mas que obriga a uma grande ginástica à maioria dos atletas provenientes da cidade de Lisboa e arredores da margem Norte. Recorrendo à rede de transportes públicos da área metropolitana de Lisboa é possível a todos, com maior ou menor dificuldade, chegarem à Praça da Portagem da Ponte sobre o Tejo. Mas, àquela hora do dia, muitos optam por deixar um carro em Lisboa e irem noutro até à margem Sul. E no final é fazerem a operação inversa.

 

Outra grande contrariedade desta Meia Maratona é o percurso escolhido ano após ano. Com um início bastante congestionado, misturando-se quer os que levam mais ou menos a sério esta corrida quer aqueles que só lá vão para confraternizarem, a travessia da Ponte é simultaneamente bela e "penosa". O esforço é grande para não atropelarmos ninguém. Só na descida para Alcântara é que podemos finalmente respirar de alívio. Em direcção ao Campo das Cebolas cada um vai à procura do seu melhor ritmo. Após o ponto de viragem, em frente à Estação de Sul e Sueste, começa o verdadeiro martírio desta corrida. Uma longa recta, praticamente sem sombras, até ao Dafundo. É metade da corrida sempre a puxar e irritantemente monótona. Não encontramos qualquer motivo de interesse. A nosso lado caminha silenciosamente a linha do caminho de ferro. Do outro lado temos alguns, poucos, populares a trazerem um pouco de ânimo à corrida. E, como habitualmente, também o S. Pedro não colaborou. Depois de promessas de um fim de semana com chuva eis que o Sol também decidiu uma vez mais participar na Meia Maratona de Lisboa. O desgaste era assim ainda maior. Felizmente que este ano os abastecimentos de líquidos foram em grande quantidade. De 2,5 em 2,5 Km podíamos retemperar forças não se regateando aos "artistas" aquilo de que eles mais necessitavam. Neste pormenor a organização esteve em muitíssimo grande plano.

 

A Meia Maratona é acima de tudo uma grande prova táctica e de gestão do esforço. Um começo muito rápido pode deitar por terra todas as apirações a um bom resultado. E é aqui que se vê quem esta bem preparado física e, sobretudo, psicologicamente. A manutenção de um ritmo constante e de acordo com as nossas possibilidades é fundamental. Não desanimar quando as forças parecem dar sinais de quererem fraquejar é também muito importante. Quando nos falta força nas pernas é bom que sobressaia a força mental. E também é fundamental uma boa alimentação e ingestão de líquidos. É neste ponto que, por o descurarem, muitos atletas falham nos seus objectivos.

 

Mas as TARTARUGAS não dormem em serviço. Cada vez mais levam mais a sério a sua preparação. Uma meia maratona que outrora nos carregava a cabeça de fantasmas e de preocupações - "será que vou conseguir terminar a corrida?" - é cada vez mais encarada como mais um degrau na nossa carreira desportiva sempre à procura de novos desafios. E como corolário da forma cada vez mais exigente como encaramos as nossas participações estão à vista os resultados. Dois dos atletas bateram os seus recordes quer na prova que na distância da meia maratona. E a Meia Maratona de Lisboa não é nada fácil.

 

Atletas que concluiram a prova: 6975 (6331 em 2011)

Vencedor: Zersenay Tadese (Eritreia): 0:59:34

 

FREDERICO SOUSA  (Dorsal Nº 2706)

Classificação Geral: 5599º - Classificação no Escalão M45: 2706º

Tempo Oficial: 2:17:51/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 2:15:48

Tempo médio/Km: 6m:26s  <=> Velocidade média: 9,32Km/h (*)

 

CARLOS TEIXEIRA  (Dorsal Nº 2705)

Classificação Geral: 3280º - Classificação no Escalão M50: 271º

Tempo Oficial: 1:58:18/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:56:17

Tempo médio/Km: 5m:31s  <=> Velocidade média: 10,89Km/h (*)

MELHOR TEMPO INDIVIDUAL NA PROVA E NA DISTÂNCIA DA MEIA MARATONA 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº1610)

Classificação Geral: 2096º - Classificação no Escalão M55: 97º

Tempo Oficial: 1:49:22/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:47:21

Tempo médio/Km: 5m:05s  <=> Velocidade média: 11,79Km/h (*)

MELHOR TEMPO INDIVIDUAL NA PROVA E NA DISTÂNCIA DA MEIA MARATONA 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Corridas do mês de Março

  • 4 - Corrida da Árvore (Lisboa/Monsanto) - 10 Km
  • 11 - Corrida das Lezírias (V. F. de Xira) - 15 Km
  • 18 - 12 Km de Salvaterra de Magos
  • 25 - Meia Maratona de Lisboa - 21,0975 Km

Calendário para o mês de Abril

  • - Trilhos de Almourol (Aldeia do Mato/Entroncamento) - 42,195 Km => Carlos Gonçalves
  • 1 - Corrida dos Sinos (Mafra) - 15 Km => Carlos Teixeira
  • 15 - Cascais/Oeiras/Lisboa - 20 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 08:55

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CORRIDA DA ÁGUA

. MARATONA DO PORTO

. TRAIL DA REAL TAPADA

. CORRIDA DO MONTEPIO

. EDP Maratona de Lisboa

. Vodafone Meia Maratona de...

. Corrida ActivoBank/Clube ...

. CORRIDA FARMACÈUTICOS

. Corrida do Tejo – dez ano...

. CORRIDA DA LINHA

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds