Terça-feira, 7 de Junho de 2022

TRAIL RUNNING DOS MOINHOS SALOIOS

O Trail dos Moinhos Saloios foi a minha última prova de trilhos antes da operação ao menisco e da pandemia, no longinquo ano de 2019. Por estes motivos era grande a  minha expectativa ao voltar pela terceira vez a uma prova que me deixou boas recordações mas também pela sua exigência em termos físicos para aferir a minha condição actual.

 

O gráfico da altimetria era um pouco assustador.

Trail dos Moinhos Saloios.jpg

É verdade que os desníveis não são vencidos em linha recta pelo que, na realidade, a situação não é assim tão dramática. No entanto é sempre com respeito, e alguma crença em como tudo vai correr bem, que abordamos estas situações.

 

À chegada à Venda do PInheiro, e após o levantamento do meu dorsal, olhei em redor à procura de caras conhecidas. Encontrei alguns/algumas atletas habitualmente presentes em provas de trilhos e que, para satisfação minha, marcaram o ponto mostrando que continuam aí para as curvas, no que às provas de trilhos diz respeito. Mas, ao mesmo tempo, constacto que não são muitos os atletas presentes. Uma centena, ou talvez duas, mas a dividir pelo "Trail Longo e pelo "Trail Curto", e com o aspecto de atletas bem preparados. Assim corria sérios riscos de vir a ser ultrapassado por todos. É verdade que não é a classificação que me move para a participação em corridas, principalmente na modalidade de trilhos. Mas que não é muito agradável ficar em último é uma certeza. Ainda por cima vejo o atleta "Vassoura" que, curiosamente, também se chamava Carlos Gonçalves. Olá, será que vão terminar a prova dois atletas em conjunto com o mesmo nome? Verifiquei, pela cor azul do Dorsal, que, afinal, era o "Vassoura" mas do Trilho Curto. Fiquei um pouco mais descansado.

 

 Parti para a minha prova com o mesmo espírito de sempre. Divertir-me, disfrutar ao máximo de toda a envolvência, e terminar a prova com um mínimo de dignidade e de alguma frescura física, se é que se pode falar em frescura física após vinte e cinco quilómetros de luta em ambiente de "Trail".

 

O gráfico da altimetria não mentia. Iríamos ter pela frente uma corrida em contínuo "sobe e desce". Com um percurso bastante renovado, pelo menos em comparação com a edição de 2019, nem por isso deixou de se mostrar à altura. Esta realidade tem sido uma constante no Trilho dos Moinhos Saloios. Nas três vezes em que participei nesta corrida o percurso nunca foi o mesmo. Este ano só mesmo o início e o fim foram os mesmos de há três anos, assim como a terrível subia ao Poste de Alta Tensão.

 

Poucos troços planos e, curiosamente, até fiquei com a sensação de que eram mais longas as descidas do que as subidas. Até pode ser sido verdade em termos de distância. Talvez as subidas tenham sido curtas e duras mas, no final, tendo  regressado exactamente ao ponto de partida, significa que os desníveis acumulados positivo e negativo compensaram-se.

 

Quando chegamos a um ponto alto vemos paisagens de grande beleza. É nestes momentos que no sentimos pequeninos no meio daquela vastidão de montes e vales. Mas não podemos concentrar muito a nossa atenção na paisagem pois o piso não é regular e facilmente podemos tropeçar nalguma pedra e darmos um valente trambolhão.

 

Ao longo da corrida vão-se definindo posições entre os atletas de diferentes andamentos. E vão-se também começando pequenas competições entre atletas que têm um andamento idêntico ao nosso.

 

Tendo já  sido ultrapassado pelos mais rápidos começo a ter a presença constante na minha retaguarda de uma atleta munida de bastões e que ora se aproximava de mim, nas subidas, ora se afastava nos troços planos ou a descer dado que nessa altura retomo o meu passo de corrida. Vou aguardar pelo fim para ver quem irá vencer esta pequena competição.

 

Em determinada altura, e após ter entrado numa estrada alcatroada, começo uma subida bastante íngreme que me leva até ao Alto do Urzeira. Após ter percorrido cerca de cento e cinquenta metros reparo que não há qualquer fita sinalizadora indicando o caminho a seguir. Ter-me-ei enganado ao entrar no alcatrão? Inverto o andamento e verifico que devia ter virado à esquerda ao invés de seguir pela estrada alcatroada.

 

Com este engano perdi o contacto com a minha "parceira" de corrida. Mas como me estava a sentir bem encarei com espírito positivo os quilómetros finais e as últimas e terríveis escaladas. Reparei, através do gráfico de desníveis do meu relógio de corrida SUUNTO, que num pequeno troço, subida ultrapassei mais de cem metros de desnível em pouco tempo. Já sabia que as subidas eram duras.

 

Continuei o meu "passeio" sozinho. Estava a sentir-me bem e, contrariamente ao que muitas vezes acontece, nunca falei mal da corrida e nunca me apeteceu desistir apesar de estar em completo isolamento. De outros atletas nem vivalma. Apenas me cruzava com alguém nos últimos abastecimentos ou nos Postos de Controlo.

 

Tinha gravado na minha cabeça o mapa da altimetria. Tinha consciência de que, por volta do quilómetro vinte e dois, mais coisa menos coisa, tinha de atacar a última "parede". A partir desse ponto era sempre a descer até à meta. Psicologicamente estava bem preparado para este último desafio.

 

"Só mais uma pequens subidinha e depois é sempre a descer até ao Parque Desportivo da Venda do Pinheiro", avisou-me um membro da organização que, como muitos outros, estava colocado num ponto estratégico para impedir que seguisse por caminhos errados.

 

Terminei bem. Maior foi a minha satisfação quando soube que ainda havia alguns atletas mais atrasados.

 

Em jeito de conclusão considero que este Trilho dos Moinhos Saloios foi uma prova com a distância e a dureza correctas para o meu actual estado de condição física. Mesmo o meu joelho esquerdo não refilou muito comigo após algumas descidas que fiz de forma mais violenta e mais arriscada do que devia. Se a minha médica que me operou ao mesnisco ali estivesse certamente que me teria dado bem na cabeça. Mas prometo que não vou exagerar tanto como antigamente.

 

Para a organização atribuo uma classificação de "Cinco Estrelas". O único reparo e sugestão que fiz foi de na próxima edição partirem em primeiro lugar os atletas do Trilho Curto e só depois os da prova mais longa.

 

Antes de me dirigir ao meu carro dediquei algum tempo a exercícios de alongamentos tão necessários e aconselháveis em face do esforço dispendido. Retirei mesmo algumas pedras de gelo, que estavam num alguidar a arrefecer garrafas de Coca-Cola, para massajar convenientemente os músculos das pernas.

 

Mesmo assim não me livrei de, alguns quilómetros mais à frente, me ver obrigado a parar a minha viatura devido a um ataque de cãibras que me impediam de conduzir em segurança até casa. São os ossos do ofício.

 

E para o próximo ano, se houver esta prova, cá estarei de novo. E terei companhia de alguns dos meus colegas?

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 22:18

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. TRAIL RUNNING DOS MOINHOS...

. MEIA MARATONA DE LISBOA 2...

. CORRIDA INTERNACIONAL DO ...

. PENINHA SKY RACE 2022

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. GRANDE PRÉMIO DO NATAL

. OEIRAS TRAIL

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CICLISMO EM DOSE DUPLA

. CORRIDA DO 1º DE MAIO 202...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds