Quarta-feira, 11 de Maio de 2022

MEIA MARATONA DE LISBOA 2022

Mais uma “clássica” a regressar após dois anos de anos de ausência devido à pandemia do Covid19.

 

Habitualmente agendada para o final de Março, a edição de 2022 foi deslocada para o mês de Maio com o objectivo de minimizar os riscos existentes em termos de pandemia e diminuir os constrangimentos relacionados com grandes ajuntamentos de pessoas.

 

Com este adiamento corria-se sérios riscos de a prova vir a realizar-se com uma temperatura um pouco mais amena do que a habitual, contribuindo para aumentar a dificuldade dos atletas em cumprirem os 21,0975 quilómetros em condições próximas das ideais.

 

E confirmaram-se as piores expectativas. Para azar da maioria dos participantes a Meia Maratona Lisboa 2022 realizou-se debaixo de um calor pouco propício para uma corrida com uma distância assinalável.

 

A organização poderia ter minimizado um pouco a situação se tivesse marcado a hora da partida para uma hora mais cedo. Mas todos sabemos como a logística desta prova é complicada. Para permitir a sempre apreciada travessia da Ponte 25 de Abril a pé, a maioria dos atletas, oriundos de Lisboa, é obrigada a apanhar bem cedo o comboio da FERTAGUS rumo à Estação do Pragal o que não se afigura nada fácil. E para aqueles que optam por deixar de manhã o carro nas imediações de uma estação do comboio têm um problema acrescido no final da Meia Maratona dado que a mais próxima é bastante longe da meta. Mas esta é uma realidade já bem conhecida de todos e não é por este motivo que a Meia Maratona de Lisboa deixa de ter largos milhares de atletas.

 

Não há entrega de dorsais no próprio dia da corrida pelo que os atletas têm de se deslocar de véspera à Feira do Desporto situada numa tenda nas imediações do Centro Cultural de Belém.

 

Em primeiro lugar temos de levantar o dorsal mediante a apresentação do comprovativo da inscrição de cada atleta. Cumprida esta primeira formalidade temos de nos dirigir até à zona de entrega da camisola oficial da prova que este ano tem um "design" diferente do habitual, estando em grande destaque a imagem da Ponte sobre o Tejo, verdadeiro “ex-libris” da Meia-Maratona de Lisboa.

 

Como é habitual a animação é bastante grande e estabelece-se um primeiro contacto com os atletas das duas provas competitivas. Facilmente se percebe que muitos são os atletas de outros Países que, uma vez mais, visitam a nossa Capital. Conseguem assim juntar a visita a uma das cidades mais bonitas da Europa com a participação na Meia Maratona mais rápida do Mundo. Esta adesão dos estrangeiros é assinalada por uma colaboradora da Xistarca que estava a dar apoio à entrega do “kit” de participante.

 

“Finalmente tenho portugueses à minha frente. Durante toda a manhã só me têm aparecido estrangeiros”.

 

Vários são os “stands” de venda de material desportivo ou até de promoção de entidades que apoiam a prova. Aproveito para comprar umas meias para estrear no dia seguinte na corrida. Aprovadas, tendo corrido o risco de fazer uma prova desta envergadura com material novo ainda não testado.

 

Com o Frederico ainda a recuperar da pneumonia que o atirou para o estaleiro, responderam à chamada o João Valério, o Carlos Teixeira e o Carlos Gonçalves. O ponto de encontro dos dois Carlos foi a rotunda na zona do Pragal e imediatamente antes da descida para a Praça da Portagem. Ambos os atletas deslocaram-se utilizando o comboio da Fertagus.

 

Bem cedo se nota uma grande animação. Àquela hora da manhã as carruagens são esmagadoramente ocupadas por atletas com o dorsal ao peito. Logo à saída da Estação de Comboios do Pragal encontramos uma primeira banda contribuindo para a criação de um ambiente de Festa.

IMG_20220508_091936_resized_20220511_104512229.jpg

Calmamente as pessoas deslocam-se até ao local da respectiva partida. Crianças e Adultos dão um colorido especial.

 IMG_20220508_091654_resized_20220511_104511555.jpgIMG_20220508_091708_resized_20220511_104511005.jpg

O primeiro encontro entre atletas das LEBRES E TARTARUGAS dá-se quando o João Valério aparece na companhia de dois amigos e com os quais vai correr a prova da Meia-Maratona. Cerca de quinze minutos mais tarde surge o Carlos Teixeira com um ar um pouco apreensivo em face da expectativa de vir a ter uma corrida debaixo de um Sol abrasador e com uma temperatura demasiado alta para as suas aspirações. Escusado será dizer que o Carlos Gonçalves era, muito provavelmente, dos poucos que via com bons olhos o cenário de calor que a todos aguardava.

Às dez e vinte começa a prova da Meia Maratona. Trinta e cinco minutos mais tarde dar-se-ia o tiro de partida para a corrida de dez quilómetros.

 

Apesar da separação das duas provas a travessia da Ponte 25 de Abril é feita um pouco aos soluços com muitos “empatas” a dificultarem a vida a quem almejava obter uma boa marca. Já não bastava o calor que se fazia sentir quanto mais muitos atletas que, em virtude de um ritmo mais lento, dificultavam a fluidez da travessia.

 

Deixamos para trás a Ponte sobre o Tejo e rumamos ao Cais do Sodré. O traçado é o mesmo desde há muitos anos pelo que não há grandes surpresas. Do outro lado da Avenida 24 de Julho vemos os principais candidatos à vitória na prova já a correrem em sentido contrário. Como o andamento é bem diferente do da maioria dos restantes participantes.

 

Nesta fase ainda sentimos, por vezes, uma agradável brisa fresca.

 

Depois da primeira inversão de sentido preparamo-nos para atacar a longa recta até ao Dafundo onde, ao quilómetro dezassete, fazemos a viragem para o troço final só parando na Meta junto ao Centro Cultural de Belém. Até Algés ainda temos algumas sombras retemperadoras aproveitadas pela maioria dos atletas. Da Estação de Comboios para a frente entramos na parte mais difícil por ser de uma aridez pouco desejada pela maioria.

 

Mas também presenciamos, aqui ou ali, alguns atletas caídos no alcatrão e com equipas médicas a tentarem a sua recuperação. É certo que estava muito calor, mas chegamos à conclusão de que há muitos atletas partem sem preparação minimamente adequada para uma corrida com este grau de dificuldade. Uma regra de ouro em provas de longa distância é adoptarmos um ritmo constante, talvez até mais lento daquilo que conseguimos em circunstâncias normais, mas que nos permita cumprir os cerca de vinte e um quilómetros sem grandes sobressaltos. E, para surpresa de todos, os atletas que vimos com assistência médica eram todos de uma faixa etária na casa dos trinta e poucos anos. Dá que pensar. Soube-se mais tarde que um atleta dos Países Baixos veio a falecer após ter cumprido a Meia-Maratona de Lisboa.

 

Em face da dureza da prova, tendo em consideração a distância e a alta temperatura, deve-se salientar a existência de bastantes abastecimentos com água, bebidas isotónicas e até suplementos alimentares. Uma vez mais a organização esteve à altura dos seus pergaminhos.

 

Valeu a pena. Foi mais uma corrida que fica nas nossas memórias.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 22:59

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Maio de 2022

CORRIDA INTERNACIONAL DO 1º DE MAIO 2022

Em tempo de tentativas de regresso à normalidade já faltava a Corrida do 1º de Maio.


Se bem que longe do fulgor dos tempos de pré-pandemia, a Corrida do 1º de Maio voltou a trazer o colorido, a diversidade de atletas e a animação às ruas de Lisboa. Menos atletas e, sobretudo, menos, muito menos, estrangeiros que têm dado o toque de internacionalização a esta Corrida que a CGTP põe de pé há 39 anos, não beliscam em nada o passado desta prova. Não precisamos de recuar muito no tempo para que encontremos mais atletas do que os que marcaram presença este ano no Estádio 1º de Maio para comemorar, à sua maneira, o Dia do Trabalhador.

 

Em jeito de balanço basta-nos visitar as estatísticas dos últimos dez para verificarmos que, com a presença de 678 atletas que cruzaram a Meta, a edição de 2022 significou um “desconto” da ordem dos quarenta por cento em face dos mais de 1000 atletas que marcaram presença nas últimas dez edições.

 

Sem dois dos seus mais activos atletas em terras lusas, a equipa das LEBRES E TARTARUGAS esteve representada pelo “grupo” dos Carlos – Teixeira e Gonçalves – marcando, uma vez mais, presença numa das mais populares corridas de estrada e, ainda por cima, com uma distância pouco habitual. Ou há as corridas de dez quilómetros ou há as mais extendidas Meias-Maratonas e Maratonas. Quinze quilómetros é que não é uma distância muito usual no que a prova de estrada diga respeito.

 

O Frederico ainda esteve representado, e muito bem, embora de forma indirecta, com o seu dorsal entregue à Mónica Miguéis, uma colega de trabalho do Carlos Teixeira. Assinale-se que esta atleta é uma “habituée” das provas de Fundo normalmente em representação da equipa “Run 4 Fun”.

 

Diversas vezes temos referido que a Corrida do 1º de Maio mantém um êxito digno de registo se tivermos em linha de conta que, pelo menos no passado mais recente, não tem havido alterações dignas de “monta”. Começando e terminando na Pista de Atletismo do Estado 1º de Maio, o traçado desenvolve-se ao longo de dois dos principais eixos viários que cruzam a cidade de Lisboa. Por não haverem surpresas talvez este seja o motivo pelo qual os atletas se entregam de corpo e alma a esta corrida. Não têm de se preocupar com as eventuais dificuldades do percurso guardando o seu pensamento para total fruição deste encontro entre “pares” de um mesmo “hobby”.

 

Algumas caras conhecidas que teimam em abandonar o seu desporto de eleição. A vida continua e muito em breve, também neste capítulo, poderemos afirmar com mais convicção que regressámos à normalidade. Alguém ainda se lembra das restrições do Covid 19 que nos obrigavam a comparecer à partida escondidos atrás de uma qualquer máscara protectora? Já faz parte do passado.

 

E já no próximo fim de semana as LEBRES E TARTARUGAS voltam à estrada e ao local onde tudo começou. Falamos precisamente da Meia Maratona EDP de Lisboa com partida na Praça da Portagem e com a travessia da Ponte 25 de Abril. Um pouco mais tarde do que é habitual, talvez para aguardar por fase de maior abrandamento da pandemia que nos assolou, os atletas vão voltar a encontrar a animação que normalmente envolve esta Meia Maratona.

 

E espera-se bom tempo com o Sol bem lá ano alto estando afastado todo e qualquer cenário de chuva e com a temperatura do ar a aproximar-se de valores mais próximos do Verão.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 15:45

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. TRAIL RUNNING DOS MOINHOS...

. MEIA MARATONA DE LISBOA 2...

. CORRIDA INTERNACIONAL DO ...

. PENINHA SKY RACE 2022

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. GRANDE PRÉMIO DO NATAL

. OEIRAS TRAIL

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CICLISMO EM DOSE DUPLA

. CORRIDA DO 1º DE MAIO 202...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds