Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2022

PENINHA SKY RACE 2022

Este foi um fim de semana em cheio com a participação da equipa das LEBRES E TARTARUGAS em duas frentes.

 

Em Lisboa, o nosso atleta Carlos Teixeira fez as honras da casa numa Corrida da Árvore renovada e com um percurso predominantemente em terra batida e tendo como palco a Serra de Monsanto.

 

O Frederico e o Carlos Gonçalves optaram por um Trail na Serra de Sintra.

 

Foi a segunda vez que o Frederico participou no Peninha Sky Race do qual guardou óptimas recordações. Desta vez contou com a companhia do seu colega “Trailista” Carlos Gonçalves.

 

A organização montou duas provas com distâncias e altimetrias diferentes e exigentes o quanto baste. Num percurso circular, com partida e chegada à Malveira da Serra, os Trails 26 K e 16 K coincidiam no início e no fim, mas com partidas separadas em cerca de meia hora.

 

Podemos dizer que a prova teve três partes distintas. A primeira consistia numa subida bastante exigente até às imediações do Santuário da Peninha. Após a separação dos atletas das duas provas o Peninha Sky Race inicia-se uma fase muito diversificada desenvolvendo-se pelos inúmeros caminhos existentes na Serra de Sintra e repetindo troços já bem conhecidos quer pelos nossos atletas, quer pelos amantes de Caminhadas quer também, e muito particularmente, pelos amantes do BTT.

 

Num “carrossel” constante de sobe e desce, passando por “single treks tão ao gosto dos BTTistas, é, muito provavelmente, a melhor parte de todo o percurso. Algumas subidas exigentes o quanto bastem contrastam com descidas técnicas onde toda a atenção é necessária para não tropeçarmos em alguma raíz mais escondida e propícia a uma queda mais desamparada.

 

Ao longo de toda a prova verificamos que não estamos sozinhos. Cruzamo-nos constantemente com muitos dos amantes da natureza que vêm ao fim de semana à Serra de Sintra para recarregar baterias depois de uma semana mais ou menos desgastante.

 

Durante muitos anos a Serra de Sintra foi o Santuário das Bicicletas de Todo-o-Terreno, fosse na modalidade de “Cross Country” fosse no muito perigoso e radical “downhill”. Nos últimos anos “democratizou-se”. Deixou de ser um espaço de elite para as bicicletas passando a ser um palco de multiactividades.

 

Deixando o coração da Serra de Sintra encetamos o regresso à Malveira da Serra cumprindo, em sentido contrário, o percurso inicial só que, desta vez, a descer. E não se considere esta última parte como fácil. A inclinação é de tal ordem que nos obriga a cuidados redobrados para evitarmos contratempos. E um indicador revelador da dureza deste final é o desgaste muscular que se sente com, por momentos, as cãibras a quererem marcar presença.

 

Se o circuito já foi de si muito agradável, mas também bastante desafiante, o que dizer do tempo. É incrível como em pleno mês de Fevereiro fomos presenteados com uma temperatura e um Sol dignos de um dia de Primavera. E já estamos a pagar por isso.

 

E também não podemos deixar de realçar, uma vez mais,  o encanto da Serra de Sintra. Seja na sua beleza interior, com uma vegetação que permanece muito densa e que tem resistido a "crimes" ambientalistas, seja nas paisagens que nos deixam quase sem fôlego tal a sua grandiosidade. Quase que nos apetece interromper por alguns momentos a nossa corrida e focarmo-nos a tirar fotografias aos vários cenários que presenciamos numa amplitude de 360 graus. Mas não foi para turismo que viemos aqui. Quiçá talvez dediquemos um fim de semana a visitar este paraíso, não numa vertente desportiva e competitiva, mas mais numa descoberta dos inúmeros recantos deste pequeno paraíso.

 

Em termos de balanço final pode-se considerar que, tendo em consideração a nossa actual, e normal, condição física e menor destreza de movimentos, estivemos na presença de uma Corrida de Trail muito próxima da perfeição para os nossos dois atletas.

 

Exigente quanto baste e com uma extensão que nos propicia um gozo constante.

 

Que permaneça assim o Peninha Sky Race e continuará, de certo, a contar com uma grande adesão.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 08:01

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2022

CORRIDA DO FIM DA EUROPA

A Magia voltou:

 

  • A Magia de voltarem a correr junto os quatro Maratonistas de Sevilha da equipa das LEBRES E TARTARUGAS
  • A Magia de correr na companhia de perto de um milhar e meio de atletas, (mais exactamente 1895)
  • A Magia de correr na Serra de Sintra

 

Sintra é Mágica.

 

“Coimbra tem mais encanto na hora da despedida”, Mas Sintra é um encanto sempre.

 

À partida a Corrida do Fim da Europa tem vários motivos que, em circunstâncias normais, desincentivariam a adesão de muitos atletas. A começar pelo local do levantamento dos dorsais distante do local da partida - nos primeiros anos das nossas participações podíamos recolher o nosso “kit” de atleta junto à partida e no próprio dia da corrida – passando pela dificuldade em encontrar um local para estacionar as viaturas,  e terminando com o facto de ser uma corrida em “linha” em que os locais da partida e da chegada distarem cerca de dezassete quilómetros, dificilmente encontraríamos justificação para o nível de adesão que tem sido crescente. “Dificilmente haverá prova mais bonita” é uma frase que tem acompanhado ao logo dos anos a Corrida do Fim da Europa. E talvez por isso atraia tantos atletas.

 

Há um ano muitos de nós provavelmente que não acreditariam que a Corrida do Fim da Europa regressaria em força em 2022. E com que força.

 

Uma vez mais os atletas são divididos por duas vagas de partida. Já assim era antes da pandemia que tomou conta das nossas vidas nestes dois últimos anos. A animação continuou em alta. Parece que ninguém quer deixar de acrescentar ao seu currículo de corridas a participação numa prova cada vez mais mítica.

 

O traçado mantém-se inalterável ao longo dos anos o que permite a muitos já não encontrarem grandes surpresas. Mesmo a terrível subida aos dez quilómetros, antecipando a loucura da descida até à Meta, continua a meter respeito, mas pouco mais do que isso.

 

Os atletas das LEBRES E TARTARUGAS voltaram a encontrarem-se junto à manga da partida. Faz-se um pequeno balanço desde a última vez que estivemos juntos e fazem-se também alguns planos tímidos para o futuro. E, como manda a tradição, tirámos a nosso fotografia de grupo que irá marcar presença na habitual crónica no nosso blogue bem como no grupo de “Watts App” das LEBRES E TARTARUGAS.

WhatsApp Image 2022-02-06 at 11.58.28.jpeg

Às dez em ponto, e após um período de aquecimento – para quem quis – orientado por uma equipa de especialistas, é dada a ordem de partida. Sem grande ritmo, atendendo ao forte aglomerado de atletas, a Serra de Sintra é tomada de assalto. A maioria de nós sabe perfeitamente o que nos espera. Só não esperávamos as condições meteorológicas pouco habituais para a Serra de Sintra nesta altura do ano. O nevoeiro matinal tão habitual desta vez não marcou presença. Ficámos, assim, sem um dos cenário míticos desta corrida. E fomos também brindados com uma temperatura bem perto do ideal. Nem frio nem calor. Perfeito. Talvez alguém se possa queixar de algum calor…

 

A chegada ao Cabo da Roca costuma ser acompanhada por vento forte e frio. Não nos podemos esquecer que a Meta está situada num local bem desabrigado. Mas também nos estava reservada mais uma surpresa com a “calmaria” do tempo que se fez sentir e nada vulgar nesta altura do ano.

 

Os Deuses estiveram connosco. Pergunta para “queijinho”: Há algum Deus protector dos Corredores? Que responda quem saiba.

 

A nossa viatura de apoio estava, como habitualmente, estacionada desde a véspera na localidade de Azóia.

 

Encetamos a nossa viagem de regresso que deveria ser feita em sentido inverso ao da Corrida. À medida que avançávamos na nossa viagem de regresso íamos analisando os troços que mais nos custaram a vencer. Chegamos a uma bifurcação tendo o Frederico optado por virar à direita. Bem depressa concluímos estar na direcção errada. Era a estrada a zona da Malveira da Serra. Feita a inversão de marcha verificamos que não nos era permitido seguir até Sintra pela mesma estrada que tínhamos anteriormente percorrido. Somos obrigados a regressar a Sintra pela zona de Colares, o que nos atrasou consideravelmente.

 

Chegados finalmente a Sintra saem os atletas que tinham deixado os carros nas imediações da estação terminal de comboios.

 

Cada um regressa a casa provavelmente bastante satisfeitos com o dever cumprido.

 

Até 2023, se não houver mais algum percalço que impeça o nosso regresso à normalidade.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

publicado por Carlos M Gonçalves às 22:22

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. TRAIL RUNNING DOS MOINHOS...

. MEIA MARATONA DE LISBOA 2...

. CORRIDA INTERNACIONAL DO ...

. PENINHA SKY RACE 2022

. CORRIDA DO FIM DA EUROPA

. GRANDE PRÉMIO DO NATAL

. OEIRAS TRAIL

. GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTIC...

. CICLISMO EM DOSE DUPLA

. CORRIDA DO 1º DE MAIO 202...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Fevereiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Agosto 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds