Sexta-feira, 3 de Maio de 2019

30 KMS VALE DOS BARRIS

O Parque Natural da Serra da Arrábida já não é um “santuário” exclusivo dos BTTistas. Há muito tempo que esta zona tem vindo a ser explorada pelos amantes da Caminhada que vão descobrindo os encantos de uma zona que ainda se consegue manter preservada apesar dos crimes que têm vindo a ser cometidos com as construções de algumas habitações de fim-de-semana ameaçando o equilíbrio paisagístico da zona.

 

Mais recentemente são as corridas de trilhos que começam igualmente a reivindicar a abertura da Arrábida aos amantes desta modalidade passando a desfrutar da grande variedade de trilhos originariamente ocupados pelas Bicicletas de Todo o Terreno.

 

Ávido de experimentar novos desafios o nosso Tartaruga Carlos Gonçalves decidiu inscrever-se na edição de 2009 dos 30 KMS de Vale dos Barris. À escolha dos atletas a organização disponibilizou três modalidades de participação:

 

·         Trail Longo 20K+ com cerca de 30 quilómetros

·         Trail Curto 12K+ com 15 quilómetros

·         Caminhada com 10 quilómetros

 

Depois de divulgar no grupo de WhattsApp das LEBRES E TARTARUGAS a realização dos 30 KMS do Vale dos Barris foi o seu filho Gonçalo a mostrar-se entusiasmado com a prova decidindo-se a participar no trail curto, então com uma distância de 12 quilómetros. E também se juntaram ao nosso grupo a Catarina e a Loubna, uma estreante nestas andanças e tornando-se desde logo a nossa mais recente aquisição, para participarem na Caminhada. De uma assentada a nossa equipa apresentar-se-ia em Setúbal com uma equipa mais alargada e, simultaneamente, apresentava ao “mundo” a mais recente contratação, Loubna Kerfah. Faltou ainda a nossa “treinadora” que teve de desistir à última hora devido a problemas de coluna que a aconselharam a desistir desta Caminhada.

 IMG_20190428_085320.jpg

Foi também a nossa estreia numa nova prova e num novo local. Apesar de ser já conhecido dos nossos trailistas em passeios de BTT foi a primeira vez que rumámos até à Arrábida para participar em corridas de Trail.

 

Numa manhã solarenga e a cheirar a Verão chegámos ao local da partida das várias provas mesmo a tempo de cumprir as habituais formalidades. A animação era, como é habitual, bastante grande. Todavia grande não era o número de caras conhecidas.

 

As partidas, bem como os respectivos “briefings, foram individualizados para cada modalidade de participação. Primeiro largaram os atletas do Trail Longo. Quase meia hora depois partem os participantes no trail curto. Só mais tarde é que partiriam os “Caminheiros”.

 

Finalmente um dia de calor. Era este o pensamento, e o regozijo, do Carlos Gonçalves. Já está um pouco farto do frio, do vento e da chuva que tem caracterizado os últimos “trails” em que tem participado. É lógico que este não era o sentimento geral. Mas, felizmente para a maioria, que as zonas de sombras abundavam ao longo de todo o percurso.

 

As diversas provas começam logo com umas subidas respeitáveis. Alguns menos experientes lançam-se num ritmo talvez demasiado intenso para as suas capacidades. E mais à frente começam logo a pagar a factura.

 

Após as primeiras subidas segue-se um longo período descendente. O Gonçalo interpela-me sobre o que virá a seguir. Pois. Lá mais para a frente iremos certamente ter o reverso da medalha.

 

“Pai. Não te preocupes comigo. Vai no teu ritmo. Haveremos de nos encontrar no fim”. Estas eram as palavras do meu filho, ao que eu lhe respondia que era melhor ser ele a não ficar à minha espera e que seguisse no seu ritmo. Aliás foi o que se veio a verificar.

 

Aos cinco quilómetros temos o primeiro abastecimento de líquidos e de sólidos. Não seria mau não fosse o caso de vir a ser o ÚNICO abastecimento. Numa prova de trail de 15 quilómetros exige-se pelo menos mais um abastecimento, nem que seja apenas de líquidos tendo em consideração o calor que se esperava para este dia. Esta foi talvez a maior falha da organização.

 

Ao longo do nosso caminho fomos encontrando alguns praticantes de Bicicleta de Montanha. Normal dado que estávamos a ocupar alguns dos mais populares trilhos desta zona. Aqui e ali vamos avistando os Caminheiros. Depois de termos feitos alguns metros ao longo da Nacional 10, perto da Aldeia Grande, os atletas são postos à prova numa descida altamente técnica. Só os mais experientes, e os dotados de calçado próprio, é que conseguem passar quase incólumes por este desafio. O Gonçalo, de repente, quase leva com uma atleta que ameaça aterrar em cima dele tal era o descontrolo em que vinha. Lá se conseguiu agarrar a uns ramos e evitar uma queda de consequências bem imprevisíveis.

 

Prova de trilhos sem passagem por uma ribeira não é digna do seu nome. E, numa destas passagens, temos de dar uma “mãozinha” extra às atletas que sentem alguma dificuldade para vencer os obstáculos de subida para o trilho logo após terem refrescado os pés. É o cavalheirismo e espírito de entreajuda no seu maior expoente.

 

Por volta dos dez quilómetros, e já no regresso ao local da partida, vamos enfrentar as maiores e mais desgastantes escaladas, duras mesmo quando as fazemos em cima de uma bicicleta. Fala a experiência.

 

Uma hora e cinquenta depois da partida o Carlos Gonçalves entra no Pavilhão Gimnodesportivo onde está instalada a Meta. Há mais de quinze minutos que o Gonçalo tinha chegado e aguardava ansiosamente pelo seu Pai.

 

Conversam sobre a prova que fizeram bem abaixo das duas horas que tinham previsto antes da partida.

 

Começam a chegar os primeiros Caminheiros. Os olhos dos dois trailistas fixam-se na zona de entrada por onde tinham passado há alguns minutos e por onde passariam a Catarina e a Loubna.

 

O Pedro, a Ana Luísa e o AFONSO já tinham chegado ao Pavilhão. Mesmo a tempo de presenciarem a chegada das Caminheiras. O Afonso, vendo a Mãe Catarina, corre para ela cortando a meta ao seu colo. De aqui por uns anos talvez vejamos este “Miúdo” nestas andanças.

 IMG_20190428_122024.jpgIMG_20190428_122032.jpg

Todos os nossos atletas estiveram em grande nível. No entanto é de inteira justiça salientar a prestação do Gonçalo que, na sua primeira prova de trail, ficou classificado na primeira metade da tabela. Certamente que angariámos mais um adepto desta modalidade. Como confidenciou ao Pai ao longo dos primeiros quilómetros “este tipo de corridas é muito mais giro do que as provas de estrada”. Diz tudo.

 IMG_20190428_122734.jpg

Depois do banho retemperador seguiu-se um bem merecido almoço de Choco Frito em Setúbal. A Loubna estava de tal modo contente que agora já quer fazer uma Caminhada Noturna. Temos aqui também uma nova entusiasta das LEBRES E TARTARUGAS.

 

O futuro da nossa equipa augura-se brilhante e bastante promissor.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

 

Vencedor: PAULO GOMES (AminhaCorrida/MyProtein): 1:00:59

 Atletas que concluiram a Prova: 241

Atletas Dorsal Escalão

Classificação Geral

Classificação Escalão

Tempo Oficial Tempo Líquido

Ritmo min/Km

Velocidade Km/h

Carlos Gonçalves 692 M6099 149º 1:50:24 1:50:24 7:22 8,15
Gonçalo Gonçalves
693
M2439
84º
31º
1:35:18
1:34:57
6:20
9,48

NOTA: O Ritmo e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos líquidos

 

Corridas do Mês de Abril

  • 14- 20 Km da Marginal (Cascais/Lisboa )- 20 Km
  • 14- 20 Km da Marginal (Cascais/Lisboa )- 20 Km
  • 14 - Trilhos do Almourol  (Entroncamento) - 25 Km
  • 28 - 30 Km Vale dos Barris(Serra da Arrábida) - 15 Km

Calendário para o Mês de Maio (sujeito a alterações)

  • 1- Corrida do 1º de Maio (Lisboa )- 15 Km
  • 5 - Meia Maratona de Setúbal (Setúbal)- 21,0975 Km
  • 11 - Trilho das Lampas (S. João das Lampas) - 20 Km
  • 26 - Lx Trail Monsanto (Lisboa) - 20 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 17:59

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TRAIL DOS MOINHOS SALOIOS

. CORRIDA DAS FOGUEIRAS

. OEIRAS TRAIL

. PALMELA RUN

. Lx Trail Monsanto

. CORRIDA DE BELÉM

. MEIA MARATONA DE SETÚBAL

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. 30 KMS VALE DOS BARRIS

. TRILHOS DO ALMOUROL

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds