Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2019

GRANDE PRÉMIO DO ATLÂNTICO

Ainda no rescaldo da Maratona de Sevilha a equipa das LEBRES E TARTARUGAS regressou a um cenário bem conhecido no Grande Prémio do Atlântico que se realiza há vários anos na Costa da Caparica. Mais do que uma corrida de dez quilómetros a nossa participação foi encarada como um bom treino de recuperação embora a um ritmo um pouco mais vivo do que seria caso tivéssemos optado por uma corridinha ligeira na mesma distância. Dos maratonistas que estiveram em Espanha marcaram presença o Carlos Gonçalves e o Carlos Teixeira, devidamente acompanhado pelo seu filho André Catela.

GP Atlântico.jpg

Mantendo o mesmo traçado de 2018 o Grande Prémio do Atlântico não é uma prova fácil atendendo a ser bastante plano e obrigando os atletas a um contínuo “puxar” pelas pernas ao longo de dez quilómetros e sem assinaláveis momentos de descanso. O ponto alto foi, uma vez mais, a passagem pelo paredão junto à praia. São perto de dois quilómetros e meio com um piso algo irregular num misto de alcatrão e de areia. No entanto a vista sobre o Oceano Atlântico, com alguns, poucos, surfistas na água distrai os atletas e compensa-os neste derradeiro esforço. E após a passagem pelo nono quilómetro temos um longo “sprint” até à meta.

 

De assinalar que numa época com uma profusão tão grande e variada de provas o Grande Prémio do Atlânticom continua a atrair bastantes corredores. O facto de se realizar junto à praia da Costa da Caparica talvez não seja alheio à chamada de muitos atletas de outras paragens, nomeadamente da zona da Grande Lisboa.

 

Estava um tempo bastante agradável para uma manhã de Fevereiro. Felizmente que, para a maioria dos atletas, não se atingiram as temperaturas previstas. Só mesmo na parte final é que se fez sentir algum calor.

 

Sozinhos ou em grupo os nossos atletas vão continuar em actividade nos próximos meses. Aguardamos com alguma expectativa a realização da Meia Maratona de Lisboa que assinala os dez anos da criação das LEBRES E TARTARUGAS.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

 

Vencedor: FILIPE REBELO (Run Tejo): 0:33:58

 Atletas que concluiram a Prova: 1356

Atleta Dorsal Escalão

Classificação

Geral

Classificação

Escalão

Tempo Oficial Tempo Líquido

Ritmo

min/Km

Velocidade

Km/h

Carlos Teixeira 358 M5559 431º 27º 0:49:47 0:48:30 4:51 12,37
André Catela 359 M0039 615º 102º 0:53:07 0:51:48 5:11 11,58
Carlos Gonçalves 1334 M6099 675º 59º 0:54:05 0:52:46 5:17 11,37

NOTA: O Ritmo e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos líquidos

Corridas do Mês de Fevereiro

  • 17 - Maratona de Sevilha (Sevilha) - 42,195 Km
  • 24- Grande Prémio do Atlântico (Costa da Caparica) - 10 Km

 

Calendário para o Mês de Março

  • - Meia Maratona de Cascais - 21,0975 Km
  • 10 - Trail da Costa Saloia (Mucifal/Colares) - 23 Km
  • 17- Meia Maratona de Lisboa - 21,0975 Km
  • 31 - Cork Trail (Erra/Coruche) - 21 Km
  • 31 - Corrida dos Sinos (Mafra) - 15 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 12:04

link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Fevereiro de 2019

MARATONA DE SEVILHA

Em Outubro passado os três fundadores das LEBRES E TARTARUGAS tomaram uma decisão que há muito andava nas suas cabeças mas que nunca tinham concretizado. Tratava-se da primeira internacionalização através da participação numa prova no estrangeiro.

 

É certo que pelas mãos, ou mais exactamente pelas pernas, do nosso atleta Georg o nome da nossa equipa já apareceu em algumas corridas nos “States”. No entanto faltava aos nossos Fundadores darem finalmente esse passo.

 

E quando se aproxima a comemoração dos dez anos da existência da nossa equipa decidimo-nos, finalmente, a sair deste nosso pequeno rectângulo no extremo ocidental da Europa. A prova eleita foi a Maratona de Sevilha pois reunia um conjunto de atributos:

 

  • Ser uma Maratona (prova rainha do Atletismo e que qualquer praticante secretamente ambiciona fazer)
  • Realizar-se bastante perto de Lisboa, a menos de quinhentos quilómetros, permitindo-nos viajar de carro na véspera e regressar no próprio dia após a corrida
  • Ter um preço acessível
  • Percurso bastante plano (segundo a organização trata-se da Maratona mais plana da Europa)
  • Disputar-se numa altura do ano em que as condições meteorológicas afastam, pelo menos teoricamente, cenários de temperaturas elevadas

 

E mal soube desta notícia o João Valério decidiu logo acompanhar-nos nesta aventura, ele que ainda não se tinha estreado na distância da Maratona. Estava assim reunida a ala mais veterana das LEBRES E TARTARUGAS.

 

Muitos negócios fazem-se à mesa. E foi esse o local escolhido para, ainda em Outubro, começarmos a preparar todos os detalhes. O primeiro passo a dar era a nossa inscrição na prova. E também começámos logo a pensar no alojamento.

IMG-20181018-WA0001.jpg

O tempo foi passando e a excitação também. Cada um começou a procurar um plano de preparação que se lhe mais adaptasse. Sim, porque fazer uma prova com mais de quarenta quilómetros exige mais do que umas simples e esporádicas corridas ao fim de semana.

 

A cada prova em que íamos participando o tema Maratona de Sevilha vinha sempre ao de cima. E mal tinha começado o mês de Janeiro assegurávamos o nosso alojamento em Sevilha.

 

Entretanto os nossos atletas continuavam a sua preparação, não sem alguns percalços pelo meio.

 

E finalmente chegou o grande dia.

 

Mais importante do que dormir bem na véspera da corrida é fundamental descansar na sexta-feira, fim de uma semana de trabalho. E como a viagem não seria muito longa também não havia necessidade de madrugar.

 

Há um primeiro encontro às dez da manhã em casa do Frederico onde se juntam o Carlos Teixeira (motorista de serviço) e o João Valério. Um quarto de hora depois partem até ao Centro Sul para apanharem o Carlos Gonçalves. Agrupada toda a equipa aí vamos nós rumo à tão almejada Sevilha.

 

Por volta das 13 horas fazemos uma primeira paragem ainda em solo português para almoçar. O local escolhido foi o “Índio” em Vila Nova de Cacela. Começa aqui o nosso estágio de concentração para a Maratona.

IMG_20190216_130507.jpg

De barriga cheia regressamos ao nosso meio de transporte. O Frederico assume então o seu lugar de navegador oficial. Como não confiava no GPS do carro decide recorrer ao Waze que lhe é bastante mais querido e no qual vê grande fiabilidade. Estamos às portas de Sevilha e o emaranhado de estradas, desvios e cruzamentos é grande. Até que o GPS do carro nos manda para um lado e o Waze do Frederico para o outro. A confusão parece estar instalada. Mas não.

 

Finalmente chegamos ao Pavilhão de Exposição e Congressos de Sevilha (FIBES). Tudo dentro da hora e sem qualquer “stress”.

IMG_20190216_165429.jpg

Deu tempo para levantarmos os nossos “kits” de participação, ver a exposição e tirar algumas fotografias para mais tarde recordar este momento alto das nossas carreiras atléticas.

IMG_20190216_170917.jpg

 

Cumprida a primeira etapa partimos em direcção ao hotel Vertice. Foi bastante mais simples. E, com alguma surpresa, constatamos que começamos a entrar numa onda positiva. Conseguimos descobrir o único lugar livre e não pago e a escassas dezenas de metros do nosso Hotel.

 

Feito o “checkin” dedicamos algum tempo a recuperar da viagem deste dia que esteve muito longe de ser extenuante.

 

Não foi necessário procurar muito para encontrarmos um restaurante para o nosso segundo momento do estágio/treino para a Maratona do dia seguinte. Mesmo em frente ao nosso Hotel encontrámos o local perfeito.

IMG-20190216-WA0005.jpg

Depois de acordarmos às seis da manhã (hora espanhola), o “desayuno” foi arrumado com alguma calma.

 

Mas permanecia uma incógnita. Como nos iríamos deslocar até ao local da partida. O nosso hotel estava a cerca de oito quilómetros do Paseo de las Delicias.

 

O Frederico optou por jogar pelo seguro e decidiu logo contratar os serviços da UBER. Só que entretanto pára mesmo em frente ao nosso hotel o autocarro da carreira 22 que nos levaria até bem próximo do local da partida e com a vantagem de ser grátis para os atletas da Maratona. Perfeito. Só que não o foi totalmente pois o Frederico não conseguiu em tempo útil cancelar o UBER sendo obrigado a pagar a taxa mínima.

 

Eram sete e meia da manhã e o céu ainda se encontrava muito escuro. Estranho quando à mesma hora em Lisboa já há sinais de dia.

O movimento de atletas era grande, o habitual em provas de Maratona. Houve tempo para tudo. Até para a nossa foto oficial com os atletas prontos para a Maratona.

IMG_20190217_080518.jpg

 

Como é habitual os atletas são dispostos por zonas consoante os tempos expectáveis. Dá-se a primeira separação das LEBRES E TARTARUGAS. O Carlos Teixeira dirige-se para o compartimento cinzento reservado aos que previam completar a prova entre 3 horas e 45 e 4 horas. Os restantes encaixam-se no último compartimento destinado aos que esperavam gastar mais de quatro horas.

 

Mesmo para os mais experimentados há sempre algum nervosismo. O mais nervoso era sem dúvida o João Valério. Nunca tinha feito uma maratona. E estrear-se aos sessenta e quatro anos era de “homem”.

 

E, finalmente, é dado o tiro de partida.

 

A Maratona é uma prova de resistência física mas, sobretudo, psicológica. Não basta ter pernas. É preciso, e muito, que a cabeça funcione. Os primeiros quilómetros são de aquecimento e para encontrar o ritmo mais equilibrado. Mas também sabemos que, ao longo destes mais de quarenta quilómetros, nem tudo vão ser facilidades. Muitas vezes lá aparece o tão anunciado e odiado “muro” por volta dos trinta quilómetros, altura em que somos postos à prova e obrigados a escolher entre desistir, com todas as marcas que vão ficar para sempre gravadas no nosso consciente, ou atacar a última dúzia de quilómetros e sentir a profunda alegria de cortar a meta. Uns abrandam o ritmo e, momentaneamente, calcorreiam algumas centenas de metros a andar. Outros não param, não andam e continuam sempre a correr até à meta.

 

Tomamos consciência de que as nossas pernas não estão tão mal como supúnhamos. Pois é. O que nos comanda é a cabeça e a férrea vontade de vencer um desafio. E se a cabeça estiver “limpa” conseguimos superar todos os obstáculos rumo à tão almejada meta.

 

E é nesta fase que o apoio do público é mais importante. Os gritos de apoio de todos os que se perfilam ao longo do percurso – “Vocês são verdadeiros campeões, ânimo, fuerza" – põe-nos os cabelos em pé. Os miúdos, e por vezes também alguns graúdos, esticam os seus braços para lhe batermos nas mãos em jeito de cumprimento à nossa passagem. Tudo isto contribui de tal maneira que até, pelo menos durante alguns momentos, aumentamos o nosso ritmo, alargamos a nossa passada. É por tudo isto que uma Maratona é uma prova difícil, muito difícil, mas, ao mesmo tempo, muito bela.

 

E, depois de terminada, o prazer e o enorme orgulho com que contamos aos nossos familiares, aos nossos amigos e até aos nossos colegas, que terminámos uma Maratona assume-se como a verdadeira recompensa de tudo aquilo por que passámos nos últimos dois a três meses. Sim porque fazer uma Maratona não é só correr quarenta e dois quilómetros e cento e noventa e cinco metros. É muito mais. É cumprir um rigoroso e ambicioso plano de treinos que nos dará alguma garantia de conseguirmos superar este “enorme” desafio. Para todos eles passamos a ser heróis. E como nos dá um grande gozo.

 

Antes da partida eu dizia para o João Valério a satisfação que ele iria ter ao contar ao seu neto que tinha feito uma Maratona, um desafio que não está ao alcance de todos.

 

 Mais uma prova a juntar ao currículo das LEBRES E TARTARUGAS. Todos estavam satisfeitos no final. O Carlos Teixeira ficou, uma vez mais, abaixo das quatro horas. E se tivesse acelerado um pouco mais tinha estabelecido o seu melhor tempo. O Frederico teve o melhor desempenho de sempre. O Carlos Gonçalves melhorou face à sua última maratona.

 

Mas coloco em lugar de destaque o nosso atleta João Valério. O que conseguiu foi enorme. Fazer a sua primeira maratona aos sessenta e quatro anos (atenção que não o estamos a chamar de velho) e conseguir um tempo de quatro horas e vinte minutos é obra. Que me perdoem os restantes Tartarugas mas o João foi o grande vencedor desta nossa primeira internacionalização.

 

Depois do reencontro fomos levantar orgulhosamente a nossa camisola de “Finisher”.

 

De medalha ao peito posamos para a posteridade e enviamos de imediato a fotografia via WhatsApp para os nossos seguidores.

IMG-20190217-WA0003.jpg

Há ainda que regressar ao nosso Hotel. E continuando na nossa boa onda chegamos à paragem do “Autobus” mesmo a tempo de apanhar a carreira 22. Tudo a funcionar em pleno.

 

Depois do banho e massagens retemperadores vamos ao almoço. E como fomos muito bem servidos na véspera voltamos à Cafeteria/Cerveceria José Alberto tal como tínhamos prometido depois do jantar de ontem.

IMG-20190217-WA0004.jpg

Foi o nosso treino de recuperação activa. Tínhamos ainda perto de quinhentos quilómetros pela frente.

 

Com apenas uma paragem numa área de serviço para encher o depósito ainda chegamos a tempo de jantar com as nossas famílias.

 

A nossa participação na Maratona de Sevilha foi a nossa maior aventura. E muitas, certamente, se seguirão. Durante a viagem lançámos para o ar alguns desafios. Uns propunham a participação na Maratona de Bilbao à noite. Outros atiravam-se para mais longe tendo como alvo a Maratona de Copenhaga. O tempo o dirá.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

 

Vencedor: TSEDAT ABEGEAYANA (Individual): 2:06:36

 Atletas que concluiram a Prova: 9118

 

Maratona de Sevilha - Quadro de Tempos.png

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

Calendário do Mês de Fevereiro

  • 17 - Maratona de Sevilha (Sevilha) - 42,195 Km
  • 24- Grande Prémio do Atlântico (Costa da Caparica) - 10 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 00:13

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2019

CORRIDA DO FIM DA EUROPA

Esta é uma daquelas corridas que ninguém quer perder.

 

“DIFICILMENTE HAVERÁ PROVA MAIS BONITA”
“CORRER NO PARAÍSO. UMA PROVA SINGULAR E IMPERDÍVEL”
“UMA PROVA QUE IREI REPETIR SEMPRE QUE POSSA”
“EXPERIÊNCIA EXCEPCIONAL” …

 

Muitas são as frases que perduram na memória de quem, pelo menos uma vez, participou na Corrida do Fim da Europa. Não há palavras para descrever o sentimento de encanto que esta prova desperta em cada um dos milhares de desportistas que, ano após ano, rumam à Bela e Mítica Serra de Sintra.

 

E os atletas das LEBRES E TARTARUGAS não têm ficado de fora deste fenómeno. Desde 2010 que participamos ininterruptamente na Corrida do Fim da Europa, incluindo aquele ano de 2012 em que não se realizou. Em sua substituição, e como forma de pressão junto da opinião pública desportiva de Sintra, realizou-se o Treino do Fim da Europa. E, pelos vistos, este tipo de manifestação resultou pois nunca mais, ao que parece, a corrida voltou a estar em risco. Este ano o “Núcleo duro” das LEBRES E TARTARUGAS voltou a marcar presença.

 

A Corrida do Fim da Europa manteve-se igual a si própria sem quaisquer alterações demonstrando um vitalidade invejável apesar das suas vinte e nove edições. Poucas corridas se podem gabar disto. E a resposta dos amantes da Corrida tem sido positiva estabilizando-se em mais de dois mil participantes a cada ano que passa.

 

Pouco haverá mais a dizer. Tudo, ou quase tudo, já foi dito nas nossas crónicas anteriores. De assinalar que as nossas prestações cotaram-se ao nível das melhores de sempre, maioritariamente fruto da nossa avançada preparação para a Maratona de Sevilha que aí vem. No final, ainda animados pela conclusão de mais uma Corrida do Fim da Europa, decidimos acrescentar mais três quilómetros ao nosso “treino” dominical percorrendo a correr, serra acima, a distância que nos separava do Cabo da Roca até à Azóia, local onde o Frederico tinha deixado de véspera a sua monovolume que iria servir de transporte destes atletas até ao ponto da partida. E desta vez não trocou a chave da carrinha pelo comando à distância do portão de casa ...

 

Foi uma página gloriosa das LEBRES E TARTARUGAS. O nosso pensamento virou-se por completo para a Maratona de Sevilha na qual iremos participar no próximo dia 17 de Fevereiro.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

 

Vencedor: JOÃO FERNANDES (Casa do Benfica de Faro): 0:59:55,6

 Atletas que concluiram a Prova: 2068

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº 150) 

Classificação Geral: 1110º - Classificação no Escalão M60: 21º

Tempo Oficial: 1:38:39,5/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:37:24,1

Tempo médio/Km: 5m:45s  <=> Velocidade média: 10,44Km/h (*)

 

FREDERICO SOUSA (Dorsal Nº 153) 

Classificação Geral: 1197º - Classificação no Escalão M55:  54º

Tempo Oficial: 1:39:46/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:38:32,1

Tempo médio/Km: 5m:49s  <=> Velocidade média: 10,44Km/h (*)

 

CARLOS TEIXEIRA (Dorsal Nº 159) 

Classificação Geral: 588º - Classificação no Escalão M55: 23º

Tempo Oficial: 1:29:21,9/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:28:06,7

Tempo médio/Km: 5m:12s  <=> Velocidade média: 11,54Km/h (*)

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Janeiro

  • 20 - Grande Prova de Atletismo do Camarnal (Alenquer) - 10 Km
  • 27- Corrida Fim da Europa (Sintra/Cabo da Roca) - 16,945 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 11:04

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Lx Trail Monsanto

. CORRIDA DE BELÉM

. MEIA MARATONA DE SETÚBAL

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. 30 KMS VALE DOS BARRIS

. TRILHOS DO ALMOUROL

. 20 KMS DA MARGINAL

. CORRIDA DOS SINOS

. CORRIDA DE RICHMOND PARK

. CORK TRAIL

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds