Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

EDP Maratona de Lisboa

Pelo oitavo ano consecutivo uma representação da equipa das LEBRES E TARTARUGAS deixa a suas pegadas, que não ecológicas, numa das Maratonas existentes em Portugal Continental. Seja com apenas um, dois ou mesmo três atletas, temos marcado invariavelmente presença na prova rainha das Corridas de Estrada.

 

A nossa representação deste ano esteve a cargo do Carlos Teixeira e do Carlos Gonçalves. Em paralelo, e numa zona diametralmente oposta, encontrava-se o terceiro tartaruga. O Frederico manteve-se fiel à participação na Meia Maratona de Lisboa cujo ponto de partida deveria ter sido em cima da Ponte Vasco da Gama. A sua estratégia de “Treino Zero” não lhe permite abalançar-se aos quarenta e dois quilómetros e cento e noventa e cinco metros de uma Maratona, tendo como perspectiva fazer uma prova em condições mínimas. Como já li algures o nosso organismo não está preparado para uma tão longa distância. Quem ousa desafiar tantos quilómetros tem/deve sujeitar-se a um rigoroso e mínimo plano de treino.

 

Concentremo-nos na Maratona já que coube ao Frederico passar ao papel a crónica/história da sua participação na Meia-maratona.

 

Uma corrida que se inicia a mais de trinta de cinco quilómetros do local da chegada obriga a uma logística mais apertada. Se acrescentarmos o facto de a partida ter lugar em Cascais e às oito da manhã obriga os maratonistas a “acordarem com as Galinhas”. O Carlos Gonçalves planeou levantar-se por volta das cinco horas de molde a chegar a casa do seu companheiro de corrida por volta das sete da manhã. Há que tomar o pequeno-almoço com calma e necessariamente mais recheado do que se faz quotidianamente antes de sair para trabalhar. E há também outras necessidades, mais de ordem fisiológica, que apertam mais em dias de provas.

 

Uma ameaça pairava sobre as nossas cabeças. Durante a noite o furacão LESLIE tinha prevista uma visita a Portugal Continental. Os maiores e mais devastadores efeitos previam-se para a zona litoral entre Lisboa e a zona centro e que se deveriam prolongar noite dentro.

 

Atenta à segurança dos atletas e do bom desenrolar da prova a organização optou por atrasar em uma hora a partida da maratona mantendo o percurso inicialmente delineado. Do outro lado da barricada verificar-se-ia alteração do local da partida mudando da Ponte Vasco da Gama para um local algures no IC2 no acesso a Lisboa. As alterações previam também algum atraso na hora da partida. 

IMG-20181014-WA0001.jpg

Faltavam pouco mais de quinze minutos para a hora da partida e já os dois maratonistas se perfilavam no seu compartimento das 4 horas e trinta. O tempo, sem chuva, afigurava-se como muito perto do que podemos considerar para uma prova que se irá estender por algumas horas.

 

Às nove é dada a partida junto ao Hipódromo de Cascais. Após alguns quilómetros entramos na estrada que vai dar até ao Guincho. Apesar de tudo o vento não era muito forte, embora de frente para os atletas, o que poderia ser considerada uma boa notícia já que, após a “viragem de sentido”, nos daria certamente uma ajuda empurrando-nos em direcção a Cascais, o que sucedeu. O mar estava muito bravo, aliás tremendamente bravo como não é habitual. As ondas executavam um bailado nunca visto, de tal modo que alguns atletas paravam momentaneamente junto à berma do outro lado da estrada para admirarem tão belo espectáculo e tirarem algumas fotografias com os seus telemóveis. Foi sem dúvida um excelente passatempo de tal modo que os quilómetros voavam sem que déssemos por eles.

 

A marca dos quinze quilómetros coincidia com a passagem pelo local onde outrora se erguia o antigo Hotel Estoril. Agora temos lá aquele grande “MAMARRACHO”. Sem comentários.

 

A Maratona de Lisboa é sem dúvida uma das mais belas, pelo menos das que conhecemos, já que, além desta, só participámos em homóloga corrida da cidade do Porto. Os quilómetros corridos ao longo da Marginal Cascais/Lisboa até parece que não pesam tanto. Os atletas vão-se distraindo com a vista. O mar continua tenebroso mas, ao mesmo tempo, encantador. As ondas rebentam lá muito fora, para lá mesmo do Farol do Bugio.

 

A pouco e pouco, e sem que nos apercebamos, vamos deixando para trás os vários marcos. Num ápice chegamos a Santo Amaro de Oeiras e a uma das mais acentuadas subidas de todo o percurso só mesmo ultrapassada pela que nos leva ao Alto da Boa Viagem. Nas edições anteriores os atletas foram poupados a este esforço adicional fazendo alguns quilómetros ao longo do “passeio” que acompanha a linha de comboio. Os possíveis efeitos do furacão terão aconselhado a organização a introduzir este pequena alteração do traçado.

 

Ao longo da marginal não vai faltando o apoio popular aos heróis.

 

A descida para a Cruz Quebrada permite recuperar algum do esforço despendido. Entramos nos últimos dez quilómetros. A nossa já conhecida enorme recta, ou quase, levar-nos-á a passar por locais emblemáticos e bem conhecidos de outras corridas: Algés, Belém, com os Jerónimos à nossa esquerda, e a zona de Alcântara marcam a fase final da maratona. Há muito que já se faz nas nossas cabeças a contagem regressiva dos últimos quilómetros.

 

Ultrapassado o empedrado da zona ribeirinha entramos na Praça do Comércio e vislumbramos finalmente a Meta. O imenso público presente não regateia aplausos e incentivos. "Todos vocês são heróis e não apenas aqueles que terminam nos primeiros lugares", atira uma espectadora. Faltam algumas centenas de metros. Entramos na rua do Ouro em sentido contrário ao do trânsito automóvel. É só mais uma voltinha para a entrada fulgurante no Terreiro do Paço. E dá-se também o encontro com os atletas da Meia-maratona cumprindo lado a lado, em corredores separados, as duas últimas centenas de metros.

 

Mais uma Maratona para o currículo dos atletas das Lebres e Tartarugas: treze para o Carlos Teixeira e onze para o Carlos Gonçalves. Cumpriram-se e ultrapassaram-se as expectativas de cada um.

 

A Maratona de Lisboa tem sabido resistir ao passar dos anos reinventando-se constantemente com alterações de percurso de modo a manter o “apetite” e o interesse em participar na corrida.

 

Uma palavra final para os abastecimentos em grande quantidade e bem organizados com equipas de um e de outro lado da “pista”. Evitaram-se muitas confusões e atropelos dos atletas.

 

Para o ano há mais. Para o Carlos Teixeira esta corrida foi a antecâmara da Maratona Cidade do Porto que se segue já no princípio do mês de Novembro.

[Crónica de Carlos Gonçalves]

  

Atletas que concluiram a Prova: 3240

Vencedor: LIMENIH GETACHEW (Etiópia): 2:07:34

 

CARLOS TEIXEIRA (Dorsal Nº 3684) 

Classificação Geral: 1675º - Classificação no Escalão M55: 107º

Tempo Oficial: 4:07:39/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 4:05:28

Tempo médio/Km: 5m:49s  <=> Velocidade média: 10,31Km/h (*)

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº 3445) 

Classificação Geral: 2300º - Classificação no Escalão M60: 78º

Tempo Oficial: 4:30:28/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 4:28:16

Tempo médio/Km: 6m:21s  <=> Velocidade média: 9,44Km/h (*)

 

 (*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Corridas do Mês de Outubro

  • 7 - Corrida ActivoBank/Clube MillenniumBCP (Lisboa) - 10 Km
  • 14 - Meia Maratona de Lisboa (Lisboa) - 21,0975 Km
  • 14 - Maratona de Lisboa (Cascais/Oeiras/Lisboa) - 42,195 Km
  • 21 - Corrida do Montepio (Lisboa) - 10 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 23:56

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CORRIDA DA ÁGUA

. MARATONA DO PORTO

. TRAIL DA REAL TAPADA

. CORRIDA DO MONTEPIO

. EDP Maratona de Lisboa

. Vodafone Meia Maratona de...

. Corrida ActivoBank/Clube ...

. CORRIDA FARMACÈUTICOS

. Corrida do Tejo – dez ano...

. CORRIDA DA LINHA

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds