Segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

CORRIDA DO MONGE

100 Corridas.png

Desde o ano de 2010 que as LEBRES E TARTARUGAS participam ininterruptamente na Corrida do Monge tendo como totalista o Frederico, principal entusiasta das corridas “off the road”. Em 2014 comparecemos sem o “estradista Carlos Catela Teixeira mas com um novo reforço – João Valério – que já nos tinha acompanhado na Corrida da Água, aliás a prova que marcou a estreia deste atleta no nosso grupo. E foi mais um a ficar atraído pelas corridas de montanha, comparecendo num ambiente que, apesar de tudo, não lhe é muito estranho dado que também é, ou foi, praticante de BTT. E, no final da corrida, o João também ficou rendido aos encantos das provas de montanha.

 

Sem o fulgor dos anos anteriores – 129 atletas em 2010, 148 em 2011, 281 em2012 e 459 em 2013 – a Corrida do Monge continua, mesmo assim, a atrair um número considerável de atletas. Se bem que os chamados “pros” não tenham marcado presença este ano em Janes em número significativo, começando porventura a optar por outras provas mais exigentes, não há dúvida que a Corrida do Monge continua a ser um excelente cartão de visita para quem se pretende iniciar nesta modalidade deixando de lado, pelo menos momentaneamente, o alcatrão.

 

Depois do percalço de 2011, com a confusão instalada e com vários atletas a perderem-se no meio da Serra de Sintra devido à existência em simultâneo de uma prova de BTT, a organização decidiu introduzir profundas alterações ao percurso tornando ainda mais interessante uma prova que continua a manter a preferência de muitos.

 

Devido a uma maior homogeneidade dos atletas presentes praticamente ninguém se viu sozinho ao longo de toda a prova. Foram constantes as ultrapassagens alternando-se, em função da natureza dos troços, as posições classificativas dos vários atletas. Salvaguardando opiniões diferentes quanto ao traçado da prova esta foi uma das mais equilibradas Corridas do Monge de sempre. Deu para todos os gostos. Desde subidas longas e íngremes mas com um piso bastante aceitável, a escaladas que só muito dificilmente alguém consegue fazer a correr, até puros “single treks” tão ao jeito dos praticantes de “downhill”. E não faltaram as descidas vertiginosas boas para recuperar lugares na classificação mas também igualmente propícias a espalhanços ao comprido com sequelas bem graves. Felizmente que nada aconteceu.

 

E também o tempo foi nosso aliado. Toda a prova decorreu sob condições meteorológicas perto daquilo que se podem considerar como as ideiais. É certo que estamos em Novembro e já não são de esperar temperaturas elevadas. Mas, às vezes, a meteorologia prega-nos algumas partidas. O Sol só despontou já tínhamos todos terminada a nossa prova. Pelo meio ainda caíram algumas pingas de chuva tão ao gosto do Frederico. Foi “ouro sobre azul”. Ou talvez nem tanto pois o Frederico, num dos troços mais apertados, teve um acidente que, na altura, deixou antever o pior. Ao passar por uma zona mais acidentada sentiu o pé esquerdo resvalar e ouviu um tenebroso “craque” suspeitando logo ter partido o tornozelo. Felizmente que o que se partiu foi uma pinha ou algum tronco mais frágil. Mas mesmo assim não se livrou de um enorme inchaço (no final mais parecia uma batata) e que o obrigou a dar ali por terminada a sua prestação. Só teve de aproveitar uma boleia de um jipe da organização que o levou até à meta.

 

Desta vez a má sorte não atingiu o nosso “especialista” em quedas…

 

Atletas que concluiram a prova: 266

Vencedor: VÍTOR BARBOSA (GDC Castelo de Paiva) - 0:53:47

 

FREDERICO SOUSA (Dorsal Nº396)

Classificação Geral: NT (Não terminou) - Classificação no Escalão M50: NT

Tempo Oficial: NT/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): NT

Tempo médio/Km: NT<=> Velocidade média: NT(*)

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº395)

Classificação Geral: 132º - Classificação no Escalão M55: ND

Tempo Oficial: 1:28:08/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:27:48

Tempo médio/Km: 7m:38s  <=> Velocidade média: 7,86Km/h (*)

 

JOÃO VALÉRIO (Dorsal Nº658)

Classificação Geral: 215º - Classificação no Escalão M60: ND

Tempo Oficial: 1:47:02/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:46:42

Tempo médio/Km: 9m:17s  <=> Velocidade média: 6,47Km/h (*)

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Novembro

  • 1 - Trail da Cidade de Torres Vedras - 16 Km
  • 2 - Maratona do Porto - 42,195 Km
  • 9 - CORRE JAMOR - 10 Km
  • 9 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 16 - Corrida do Monge (Serra de Sintra ) - 11,5 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 21:56

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Novembro de 2014

CORRE JAMOR

100 Corridas.png

Uma vez mais, e pelo segundo fim de semana consecutivo, as Lebres e Tartarugas participaram numa frente alargada.

 

E enquanto a Tartaruga Carlos Teixeira revisitou a Nazaré para a clássica Meia Maratona, a Tartaruga Frederico Sousa ficou por Lisboa para experimentar uma prova nova – Corre Jamor.

 

Na procura de provas e experiências novas tanto se descobrem provas simpáticas como o Trail de Torres Vedras ou momentos de elevado prazer como foi o caso.

 

Uma simples prova de 10 kms às portas de Lisboa revelou-se pois uma pequena pérola abrilhantada pelas condições atmosféricas que fizeram aparecer esse elemento natural que a Tartaruga Frederico Sousa tanto aprecia – LAMA.

 

Numa manhã que acordou chuvosa mas com bonitos rasgos de sol a Tartaruga em questão deslocou-se ao lindo cenário do Estádio Nacional para recolha do dorsal, aquecimento e partida dentro da pista de tartan.

 

Depois de uma volta ao Estádio saímos em direcção ao Parque Urbano do Jamor num aglomerado que excedia os 1.000 atletas.

 

Este primeiro percurso de 3 kms permitiu alongar a distribuição dos atletas de forma a que, quando começaram as subidas e o percurso fora de estrada, a progressão não fosse tão difícil.

 

Depois de voltarmos ao Estádio já fora de estrada, entramos então no percurso de manutenção que é de uma beleza significativa.

 

Foi um sobe e desce muito agradável com um grau de dificuldade dentro das capacidades deste atleta, se bem que requerendo esforço da sua parte, o que só faz aumentar o grau de satisfação. A prova correu sem grandes sobressaltos sempre com uma boa moldura humana se bem que por vezes se tivesse que fazer ultrapassagens por vias laterais mais difíceis.

 

Voltados ao Estádio cumprimos na realidade duas voltas, uma no cimo das bancadas atravessando a tribuna e finalmente outra na pista de Tartan.

 

Uma prova muito bem conseguida certamente a repetir.

 

[Crónica de Frederico Sousa]

 

Atletas que concluiram a prova: 1195

Vencedor: LUÍS GINJA: 0:35:14

 

FREDERICO SOUSA (Dorsal Nº1186)

Classificação Geral: 828º - Classificação no Escalão V50: 61ª

Tempo Oficial: 1:02:35/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:02:19

Tempo médio/Km: 6m:14s  <=> Velocidade média: 9,63Km/h (*)

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Novembro

  • 1 - Trail da Cidade de Torres Vedras - 16 Km
  • 2 - Maratona do Porto - 42,195 Km
  • 9 - CORRE JAMOR - 10 Km
  • 9 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 16 - Corrida do Monge (Serra de Sintra ) - 11,5 Km
  • 23 - Grande Prémio de Atletismo da Mendiga - 16 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 14:55

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Novembro de 2014

MEIA MARATONA DA NAZARÉ

100 Corridas.png

A Mãe de todas as Meias-Maratonas atingiu no passado Domingo a sua 40ª edição, já sem a projeção de outros anos, mas continuando a ser uma das provas mais carismáticas do calendário anual de provas de atletismo de estrada realizadas no nosso País. As condições atmosféricas que se adivinhavam antes do início da prova, não eram as melhores face à queda de frequentes aguaceiros nas horas que precederam a mesma, contudo a corrida acabou por decorrer quase sem chuva, com uma temperatura muito agradável para correr e sem o habitual vento da Nazaré que costuma ser um dos principais inimigos dos atletas. Antes da partida foi lançado o hino da meia maratona da Nazaré cantado por dois locais em comemoração do 40º aniversário e realizada a habitual onda com o movimento dos braços dos atletas participantes. O tiro de partida foi dado mais uma vez pela Rosa Mota, os primeiros 5 kms foram percorridos em redor da Vila sendo a principal dificuldade a subida entre o 2º e o 3º Km, depois é descer até voltar à marginal cujo piso cada vez mais gasto causa dificuldades aos corredores. Percorrida a marginal seguiram-se os sete kms até à localidade de Famalicão, onde se retornou de regresso à Nazaré, a corrida foi maioritariamente plana exceto as subidas de acesso à Ponte ao Km 8 e Km 17. Os últimos 2kms foram dolorosos porque a reta da marginal da Nazaré nunca mais acabava, mas reunindo as forças que me restavam lá conseguir ultrapassar a desejada linha de meta. A meia maratona da Nazaré é uma das provas que mais gosto de participar e foi com muita vontade que participei pelo 5º ano consecutivo em representação dos Lebres e Tartarugas, após as energias consumidas uma semana atrás na Maratona do Porto. Apesar de gostar da prova nunca tinha conseguido obter nas edições anteriores grandes resultados, pelo que foi com satisfação que pela primeira vez consegui aliar a participação sempre o mais importante com o resultado (menos 3 minutos que o meu record nesta prova conseguido na edição de 2012 e simultaneamente a minha terceira melhor marca de sempres na distancia). Haja pernas e saúde e lá estarei na Nazaré para a edição nº 41, de preferência acompanhado dos restantes tartarugas.

 [Crónica de Carlos Teixeira]

 

Atletas que concluiram a prova: 1014

Vencedor: RICARDO RIBAS (SLB) - 1:07:29

 

CARLOS TEIXEIRA (Dorsal Nº658)

Classificação Geral: 440º - Classificação no Escalão M50: 48º

Tempo Oficial: 1:43:03/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:42:40

Tempo médio/Km: 4m:52s  <=> Velocidade média: 12,33Km/h (*)

 MELHOR TEMPO INDIVIDUAL NA PROVA

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Novembro

  • 1 - Trail da Cidade de Torres Vedras - 16 Km
  • 2 - Maratona do Porto - 42,195 Km
  • 9 - CORRE JAMOR - 10 Km
  • 9 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 16 - Corrida do Monge (Serra de Sintra ) - 11,5 Km
  • 23 - Grande Prémio de Atletismo da Mendiga - 16 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 23:49

link do post | comentar | favorito

TRAIL DA CIDADE DE TORRES VEDRAS

100 Corridas.png

Não. As Lebres e Tartarugas não estão zangadas entre si. Apenas cada um se sente livre para participar nas provas que melhor se ajustam aos seus gostos e condições físicas a cada momento. E de facto as Lebres e Tartarugas “desintegraram-se” uma vez mais neste fim de semana. Não obstante se encontrar inscrito na Maratona do Porto, a Tartaruga Frederico Sousa optou, face ao estado lastimoso da sua preparação física, não participar nessa prova na companhia das dois grandes campeões desta equipa.

 

Mas ficar parado é que seria demais. Assim, e depois de uma rápida consulta às diversas bíblias desportivas disponíveis na comunidade virtual – caixa de mail, xistarca, Carlos Fonseca ou facebook – lá encontrou uma prova a seu contento que tinha bastantes condimentos positivos – prova fora de estrada, prova nunca antes realizada, próximo da região de Lisboa e de dificuldade média.

 

E lá se dirigiu o atleta na manhã de Sábado dia 01 de Novembro para a cidade de Torres Vedra para enfrentar mais este desafio de um Trail de 16 kms.

 

Sendo a prova nova e realizada num Sábado verificou-se pois uma afluência algo reduzida. Dadas as instruções iniciais, partiu-se rapidamente para esta estreia.

 

Os primeiros kms foram realizados dentro de Torres Vedras em alguns lugares mais elevados com caracteristicas turísticas, seguindo de seguida para a estância termal dos Cucos. Chegados aí entrou-se em sentido inverso no percurso do Trail dos Cucos realizados há apenas uns meses atrás. Desta vez porém com um tempo bem mais agradável para estas loucuras. Depois de kms aos altos e baixos bem menos exigentes que o Trail dos Cucos voltamos à cidade de Torres Vedras tendo acedido à zona de partida por um canal que mais parecia uma vala de esgoto. Enfim, para uma prova de convívio com a natureza devo confessar que esta foi uma pequena nódoa que manchou a prova.

 

No final a prova estendeu-se por 17,3 kms contra os 16 kms anunciados se bem que esse factor não seja propriamente negativo. Uma prova que não sendo fantástica podemos pois caracterizar como de simpática. “

[Crónica de Frederico Sousa]

 

Atletas que concluiram a prova: 102

Vencedor: VÍTOR SANTOS: 1:33:36

 

FREDERICO SOUSA (Dorsal Nº26)

10710893_337986149695823_5652606522404371537_n.jpg

Classificação Geral: 98º - Classificação no Escalão V50: ND

Tempo Oficial: 3:06:33/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 3:06:20

Tempo médio/Km: 10m:46s  <=> Velocidade média: 5,57Km/h (*)

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Novembro

  • 1 - Trail da Cidade de Torres Vedras - 16 Km
  • 2 - Maratona do Porto - 42,195 Km
  • 9 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 16 - Corrida do Monge (Serra de Sintra ) - 11,5 Km
  • 23 - Grande Prémio de Atletismo da Mendiga - 16 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 23:29

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Novembro de 2014

11ª MARATONA DA CIDADE DO PORTO

100 Corridas.png

E vão seis Maratonas de Estrada que os dois representantes das LEBRES E TARTARUGAS concluíram neste primeiro fim de semana de Novembro. Esta é considerada por muitos como a melhor Maratona que se realiza em solo português, e especialmente indicada para quem quer realizar a sua primeira prova nesta distância. O percurso é bastante acessível e, acima de tudo, o apoio popular fica (para melhor) a anos luz do que é costume encontrarmos em provas que se realizam em Lisboa.

 

Apesar do Verão fora de época que tivemos nestas últimas duas semanas as previsões meteorológicas apontavam para um domingo mais frio e, sobretudo, chuvoso na zona do Porto. Mas nesse aspecto o S. Pedro até foi nosso amigo, principalmente para quem terminou a Maratona até cerca das quatro horas e trinta minutos. Já os TARTARUGAS tinham terminado a sua prova, e sofregamente “emborcado" duas imperiais, que, quando regressavam ao carro, começou a chover copiosamente acompanhado de alguns trovões. Bem pensámos nos desgraçados e nas desgraçadas que ainda se encontravam em prova. Provavelmente muitos até desistiram ou tiveram vontade disso perante o dilúvio que se abateu na região do Porto.

 

Às oito e trinta da manhã dá-se o encontro dos dois atletas. Antes de tomarem o respectivo lugar na Grelha de Partida ainda há tempo para a “mijinha” de última hora (os nossos leitores certamente nos perdoarão o termo mais vernáculo aqui utilizado) e para algumas fotos para ilustração do nosso blogue. Como sempre juntam-se muitos atletas no corredor de partida sendo, uma vez mais, batido o recorde de inscrições na prova da MARATONA.

Fotografia0000.jpg

Após o tiro de partida às nove em ponto os atletas tomam de assalto a “pista”. A confusão é de tal maneira grande que só mais de três minutos depois é que cruzamos a Linha de Partida. O congestionamento nos primeiros quilómetros é elevado fruto da primeira parte do percurso ser comum tanto para a Maratona como para a Family Race de dezasseis quilómetros.

 

Na habitual passagem pelo Estádio do Boavista, com a sua imponente Pantera a fazer de guarda às instalações desportivas do popular clube do Bessa, o nosso atleta mais novo – Carlos Texeira – quis deixar a sua marca com um aparatoso tombo sem danos de maior. Talvez estivesse a admirar o animal símbolo do Boavista Futebol Clube e não reparou onde colocou o pé direito torcendo-o e provocando mais uma queda a registar ao seu currículo nestas manobras. Tirando um ligeiro esfolão no cotovelo esquerdo e uma escoriação no joelho direito concluiu que estava em condições de levar esta aventura até ao fim. E desta vez sem ter partido o relógio, para grande preocupação do Carlos Gonçalves.

 

Ao longo das bermas vai-se aglomerando o público a incentivar os seus atletas com cartazes com as palavras de ordem mais adequadas. Mas um cartaz ilustrava a essência do que é uma prova de maratona para os que a encaram na “desportiva”:

 

  • Trinta quilómetros com as Pernas
  • Doze quilómetros com a Mente
  • E cento e noventa e cinco metros com o Coração

 

Durante cerca de vinte e quatro quilómetros os dois TARTARUGAS foram juntos. Como os músculos da perna esquerda do Carlos Gonçalves começaram a dar sinais de recusa, a partir dessa altura transformaram-se em corredores solitários com o Carlos Teixeira a partir para uma maratona em grande nível, mas ainda assim abaixo da edição de 2013. Após o ponto de viragem do percurso começa a contagem decrescente até à meta. Os atletas vão buscar forças onde pensavam já não existirem.

 

Com a entrada na Avenida da Boavista surge a derradeira e ansiada marca dos 41 Km. Já falta pouco e fazem-se as últimas contas para os objectivos de tempos que cada um definiu à partida para esta Maratona. E como o cartaz, que volta a estar presente na parte final da corrida, os últimos metros são feitos mais com o coração do que com as Pernas e com a Mente.

 

TERMINOU.

 

Mais uma Maratona a figurar nas façanhas destes dois atletas amigos e que irão servir como tema de muitas histórias para contarem uma dia mais tarde aos seus netos. Mas também não precisamos de esperar tanto tempo pois temos os nossos colegas de trabalho para fazer corar de inveja quando orgulhosamente lhes relatarmos este feitos e quão serão igualmente úteis para a nossa vida profissional.

017.JPG

No dia oito de Novembro de 2015 regressaremos à cidade Invicta, com a promessa da companhia do Frederico, para disputarmos a décima segunda edição da Maratona do Porto.

 

Atletas que concluiram a prova: 4042

Vencedor: WORKNEH FIKRE SERBESSA (Portugal): 2:13:10

 

CARLOS TEIXEIRA (Dorsal Nº1985)

Classificação Geral: 2147º - Classificação no Escalão M50: 191º

Tempo Oficial: 3:55:27/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 3:52:29

Tempo médio/Km: 5m:31s  <=> Velocidade média: 10,89Km/h (*)

 

CARLOS GONÇALVES (Dorsal Nº2006)

Classificação Geral: 2536º - Classificação no Escalão M55: 123º

Tempo Oficial: 4:03:06/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 4:00:06

Tempo médio/Km: 5m:41s  <=> Velocidade média: 10,54Km/h (*)

 

(*) - O Tempo médio/Km e a Velocidade média foram calculados em função dos tempos cronometrados (tempo do chip)

 

Calendário para o Mês de Novembro

  • 1 - Trail da Cidade de Torres Vedras - 16 Km
  • 2 - Maratona do Porto - 42,195 Km
  • 9 - Meia Maratona da Nazaré - 21,0975 Km
  • 9 - Corre Jamor (Complexo Desportivo do Jamor) - 10 Km 
  • 16 - Corrida do Monge (Serra de Sintra ) - 11,5 Km
  • 23 - Grande Prémio de Atletismo da Mendiga - 16 Km
publicado por Carlos M Gonçalves às 23:40

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. EDP Maratona de Lisboa

. Vodafone Meia Maratona de...

. Corrida ActivoBank/Clube ...

. CORRIDA FARMACÈUTICOS

. Corrida do Tejo – dez ano...

. CORRIDA DA LINHA

. São João das Lampas ou da...

. PALMELA RUN

. MARGINAL À NOITE

. CORRIDA DO ORIENTE

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds