Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009

3ª CORRIDA LUZIA DIAS

3ª edição Luzia Dias"A seguir à tempestade vem a Bonança".

A seguir à demolidora Meia Maratona da Nazaré nada como uma Corrida tranquila.

 

Veio mesmo a calhar quer para a restabelecida tartaruga Frederico,  a recuperar da Gripe A (?), quer para os outros nossos atletas que estiveram no fim de semana anterior na Nazaré.

 

A organização desta prova esteve à altura. Partida a horas, percurso interessante e bem assinalado. Só merece reparo a atuação da Polícia no controle do trânsito nos locais de passagem dos corredores. Por vezes foi necessário "fintar" e desviarmo-nos de alguns carros.

 

É impressionante constatar como qualquer prova consegue juntar facilmente meia centena ou mais de atletas. Por isso o atletismo de rua é cada vez mais uma modalidade altamente popular e com uma crescente adesão dos atletas amadores, principalmente os mais avançados na idade (ou os menos novos). Aqui a competição de cada um com é consigo próprio na tentativa de conseguir um tempo sempre melhor que na prova anterior.

 

As nossas Tartarugas estiveram em conformidade com os seus desempenhos anteriores não se tendo ressentido dos percalços das últimas semanas.

 

Para a história fica o registo dos nossos corredores numa prova concluída por 586 atletas e em que o melhor tempo foi de 0:31:38. Como curiosidade, e de acordo com informação de outros participantes, esta corrida teve uma distância de 10 Km e 100 metros ... Curioso.

 

FREDRICO SOUSA

Tempo Oficial: 1:04:24 Classificação Geral: 569º / Classificação no Escalão (M45): 75º

Tempo médio/Km: 06m:23 s  <=> Velocidade média: 9,41 Km/h

 

CARLOS CATELA

Tempo Oficial: 0:54:54 Classificação Geral: 455º/ Classificação no Escalão (M45): 59º

Tempo médio/Km: 05m:26s  <=> Velocidade média: 11,04Km/h

 

CARLOS GONÇALVES

Tempo Oficial: 0:51:40 Classificação Geral: 385º / Classificação no Escalão (M50): 46º

Tempo médio/Km: 05m:07s  <=> Velocidade média: 11,73Km/h

 

 

Próximas Provas

  • 13 de Dezembro: Grande Prémio do Natal
  • 27 de Dezembro: São Silvestre de Lisboa

 

 

publicado por Carlos M Gonçalves às 21:45

link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2009

35ª MEIA MARATONA DA NAZARÉ - Resultados

DURO, DURO!!

 

Os nossos atletas já estão preparados para enfrentar adversidades. E nesta prova depararam-se com novos obstáculos.

 

O percurso nem se afigurava difícil. A maior subida aconteceu logo nos primeiros quilómetros, tendo servido para aquecimento, até porque não era muito inclinada e terminava com uma grande descida dentro da zona antiga da Nazaré. Parecia o prenúncio de uma prova acessível e propícia à obtenção de bons tempos.

 

Fruto da tradição, por ser pioneira em corridas nesta distância em Portugal, a 35ª Meia Maratona da Nazaré contou com forte adesão de atletas. Talvez já não tenha o fulgor de outros tempos, mas ainda continua a ser a "Meia-Maratona" de referência. Por isso os primeiros quatro/cinco quilómetros desenrolaram-se de forma compacta. Só após entrarmos no trajecto realizado em estrada aberta é que o grupo se começou a dispersar. E foi nesta fase que os atletas puderam comprovar que um percurso aparentemente plano não é sinónimo de facilidade. Longas rectas, com um ligeiro declive ascendente, mostraram como aquilo que por vezes parece fácil é na realidade dífícil. E se juntarmos um ventinho lateral então a situação ainda se torna mais complicada.

 

O ponto de inversão, algures entre os quilómetros 12 e 13, nunca mais chegava. Estava ali mais à frente. Já eram muitos os atletas que corriam em sentido contrário. Mas onde estava o tão psicologicamente desejado ponto de viragem? A seguir áquela curva? Não, ainda não. Seria a após a subida? Também não. E esta sucessão de sensações contribuia para aumentar ainda mais a ansiedade dos corredores. E não nos podemos esquecer que esta fase era o culminar de uma longa, ainda que suave, subida.

 

Finalmente inicia-se o percurso de retorno. Sempre a descer e com o vento favorável. Mas o que aconteceu ao vento, que antes servira de obstáculo, e que com o qual todos contariam para ajudar no regresso à Nazaré? Desapareceu. É mesmo inglório.

Foi nesta fase, após o reencontro entre as duas Tartarugas correndo em sentidos opostos, que Carlos Gonçalves começou, inexplicavelmente, a dar sinais de quebra física. Sem razões para tal, o cansaço mostrou que ali estava para impedir a conclusão da prova. O atleta já só pensava em terminar a corrida de forma digna, isto é ,sem parar de correr. Que se lixe o tempo. Desculpem o termo mas foi mesmo assim.

O que estaria a acontecer,  perguntava para si? Seriam reflexos da lesão que antes atormentara esta Tartaruga e que chegara a equacionar a sua participação? Mas não, nem sinais de qualquer lesão. A única razão encontrada foi poder estar relacionada com  a tomada de um ILVICO para debelar uma constipação que tinha aparecido. Foi o "estouro" quase total a que não está habituado.

Nos últimos cinco quilómetros esta Tartaruga literalmente arrastou-se pelo alcatrão. A "uma hora e cinquenta minutos" que o atleta se propunha atingir foram literalmente esquecidos. O objectivo era unicamente terminar a prova de uma forma digna, ou seja, sempre a correr, mesmo que muito lentamente. E essa foi talvez essa a força psicológica que animou este "zombie" no qual se tinha transformado.

 

Finalmente entrava-se na recta da meta. Era já ali. Afinal ainda era mais à frente. Mais um pouco e avistava-se meta. Mas qual meta? Era só mais uma barreira publicitária. Quando por fim se vilslumbra o ponto final da prova já nem sequer houve forças para o costumado e derradeiro "sprint". VITÓRIA. Apesar de tudo a prova foi superada.

 

A nossa outra Tartaruga (Carlos Catela) lá fez a corrida sempre dentro do seu ritmo, imune às adversidades encontradas e com o ritmo que lhé habitual. E assim honrou a imagem e tradição das Tartarugas. O cansaço também era grande. Mas ainda maior era a satisfação pela conclusão de uma corrida mítica a qual esteve longe de ser um simples passeio. E, no final, a tão prometida chuva apareceu com grande intensidade.

 

E para o ano há mais com o trio completo das nossas Tartarugas.

 

Terminaram 1039 atletas tendo sido de 1:09:26 a marca do vencedor. Como se vê nem foi um tempo espectacular.

 

CARLOS CATELA

Tempo Oficial: 2:12:42 Classificação Geral: 1004º

CARLOS GONÇALVES

Tempo Oficial: 2:06:13 Classificação Geral: 971º

 

 

Próxima Prova

  •  22 de Novembro: Corrida Luzia Dias
publicado por Carlos M Gonçalves às 01:05

link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Novembro de 2009

35ª MEIA MARATONA DA NAZARÉ

 

thumb_cartaz_meia_maratona_2009Aí está a Grande Meia Maratona da Nazaré, considerada por muitos como a prova rainha nesta distância. É talvez mesmo a mais antiga meia-maratona que se realiza em Portugal.

As nossas Tartarugas irão estar presentes em mais uma prova emblemática do Calendário Competitivo do atletismo popular.

Temos uma baixa de "peso" com a ausência da Tartaruga Frederico Sousa cujo agregado familiar, e talvez ele mesmo, foi atacado pela tão "fashion" GRIPE A.

 

Outra Tartaruga - Carlos Gonçalves - está a contas com uma lesão muscular no gémeo esquerdo, lesão esta  que poderá comprometer o seu desempenho na prova. Esperemos que esta contrariedade não o impeça de, pelo menos, participar neste grande evento.

 

Assim pesará sobre os ombros da Tartaruga Carlos Catela a obtenção de um bom resultado.

 

FORÇA TARTARUGAS (com muita chuva que vos aguarda amanhã).

 

E já agora VIVA PORTUGAL que muito sofridamente lá conseguiu ganhar à Bósnia-Herzegovina com um muito espremido 1-0. Ao menos não sofremos qualquer golo.

publicado por Carlos M Gonçalves às 23:56

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. MARGINAL À NOITE

. CORRIDA DO ORIENTE

. CORRIDA DE BELÉM

. DIA DESPORTO ALLIANZ

. LX TRAIL MONSANTO

. CORRIDA CIDADE DE VENDAS ...

. TRILHO DAS LAMPAS

. MEIA MARATONA DE SETÚBAL

. CORRIDA DO 1º DE MAIO

. CORRIDA DA LIBERDADE

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds