Sábado, 6 de Novembro de 2010

CORRIDA DO MONGE - Crónica e Resultados

Como é bom SOFRER.

 

Quem se inscreve em Corridas de Montanha tem de estar essencialmente preparado e predisposto para passar por momentos menos bons, diremos mesmo desagradáveis. E é com o sofrimento que aprendemos a ultrapassar os dissabores e as agruras da nossa vida, seja ela analisada sob o prisma pessoal ou profissional.

 

Em desporto de competição os atletas treinam em condições extremamente exigentes e perante situações que porventura nem sempre encontrarão em prova. E quanto mais exigente for o treino melhor será a capacidade que o atleta adquire para enfrentar todo o tipo de adversidades.

 

Ora bem. É isto que as nossas ilustres TARTARUGAS procuraram ao iniciarem uma nova etapa com a inscrição em Corridas de Alta Montanha. À primeira correu bem. Foi a novidade. À segunda foi a confirmação de como é bom correr fora da Estrada. À terceira foi de vez. Nunca mais pararemos.

 

O nosso espírito é de praticar desporto competindo apenas connosco próprios.

 

É bom recordar o nosso lema: "Não ficar em primeiro nem em último lugar, para não dar nas vistas...". E uma vez mais foi cumprido. E acreditem que não é fácil, não foi fácil. Aqui encontramos atletas com um grau de preparação muito elevado.

 

É certo que momentaneamente passámos por momentos menos bons, ou até desagradáveis. Por vezes a vontade desistir pode ser enorme. Mas será que essa palavra tem lugar no nosso pensamento? Não. Sofrer sim, mas nunca desistir. E deste modo ficamos mais fortes.

 

O gráfico altimétrico deixava desde logo antever grandes dificuldades. Eram mais de quatro quilómetros sempre a subir. Aliás a partida começou com uma calçada bastante íngreme que nem deu para aquecer. Que aquecessem antes do sinal de partida.

 

E como suspeitámos logo na antevisão à corrida a segunda parte da prova - quatro quilómetros sempre a descer - não deveriam ser fáceis. Em provas de Montanha não há coisas fáceis. Não só o declive era elevado como entrámos naquilo que na gíria BTTista se denominam por "single treks". Troços sinuosos, estreitos e com terreno irregular. Muitos degraus naturais formados pelas raízes das árvores. Segundo a minha humilde opinião foi o mais belo troço da percurso. A adrenalina estava presente em todo o seu esplendor. O pensamento era "descer com cuidado, devagar ... mas o mais depressa possível". Acima de tudo evitar quedas e deixar passar os mais rápidos e mais afoitos. Ou talvez os mais malucos e inconscientes ...

 

"Não há mal que sempre dure nem bem que não acabe". Terminada a descida vertiginosa foi tempo de atacar o troço mais exigente de toda a corrida. E o pior nem foram aqueles 500 metros de elevada inclinação. Com a sinalização dos 9 quilómetros "sorri-nos" uma subida que mais parecia uma escalada. Correr era praticamente impossível. Não por que o declive fosse muito acentuado mas sim pela irregularidade do terreno. Um pé mal colocado e poderíamos ter um acidente de consequências bastante graves. Houve momentos em subimos com os pés e ... com as mãos no chão. O mais importante era não cair.

 

Pronto. Terminou este calvário de subida. Inicia-se a descida final para a meta. Para trás ficaram os sentimentos de cansaço. Haveria que aproveitar os quilómetros - cerca de três e meio - para correr até à meta. Foi tempo das últimas ultrapassagens e de consolidação de posições.

 

O cansaço, mas principalmente a felicidade, estava bem estampada nos rostos da maioria dos atletas. Apesar dos vários percalços julgo que todos deram como bem empregue o tempo que dedicaram nesta amena manhã de Outubro a uma prática desportiva mais original.  As condições climatéricas foram praticamente as ideiais. Não choveu, não esteve nem calor nem frio, o vento nem se fez sentir. É certo que durante grande parte da corrida estivémos isolados do mundo no meio da mata e das árvores.

 

Por agora terminaram as provas "off the road". Em 2011 há mais. E lá estaremos concerteza.

 

E também estaremos agora mais disponíveis e confiantes para encarar uma prova que am 2009 não nos correu de feição: a mítica MEIA MARATONA DA NAZARÉ.

 

Entramos na recta final do ano de 2010.

 

Atletas que concluiram a prova: 129

Vencedor: Aires Sousa (F C Penafiel) - Tempo Oficial: 0:49:24

 

FREDERICO SOUSA

Classificação Geral: 116º- Classificação no Escalão M45: 21º

Tempo Oficial: 1:33:04/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:32:59

Tempo médio/Km: 8m:05s  <=> Velocidade média: 7,42 Km/h (*)

 

CARLOS TEIXEIRA 

Classificação Geral: 117º - Classificação no Escalão M50: 18º

Tempo Oficial: 1:33:20/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:33:15

Tempo médio/Km: 8m:07s  <=> Velocidade média:7,40 Km/h (*)

 

CARLOS GONÇALVES 

Classificação Geral: 96º - Classificação no Escalão M50: 13º

Tempo Oficial: 1:26:48/Tempo Cronometrado (Tempo do Chip): 1:26:43

Tempo médio/Km: 7m:32s  <=> Velocidade média: 7,96Km/h (*)

 

Corridas realizadas no mês de Outubro

  • 3 - Corrida de Sesimbra (10 Km)
  • 24 - Corrida do Tejo (10 Km)
  • 31 - Corrida do Monge (Sintra -11,5 Km)

Calendário previsto para o mês de Novembro

  • 14 - Meia Maratona da Nazaré
  • 28 - Corrida Luzia Dias (Lisboa - 10 Km)
publicado por Carlos M Gonçalves às 23:13

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. CORRIDA DO TEJO

. CORRIDA DA LINHA MÉDIS

. MEIA MARATONA DE S. JOÃO ...

. TRAIL DOS MOINHOS SALOIOS

. CORRIDA DAS FOGUEIRAS

. OEIRAS TRAIL

. PALMELA RUN

. Lx Trail Monsanto

. CORRIDA DE BELÉM

. MEIA MARATONA DE SETÚBAL

.arquivos

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

.links

.subscrever feeds